Vitória/ES – As sete Escolas de Samba do Grupo Especial deram um show de garra, aminação e luxo no Sambão do Povo…

0
737

 

Unidos da Piedade

A Piedade abriu os desfiles de sábado com o enredo “Francisco’s”, sobre a história dos Franciscos que marcaram a humanidade, como Francisco de Assis, Chico Anysio, Chico Buarque e Chico Mendes.

A agremiação foi a quinta colocada no carnaval capixaba de 2019.

O carnavalesco da piedade é Paulo Balbino.

A agremiação apresentou em seu desfile 17 alas, três alegorias, 01 tripé e 1800 componentes.

No desfile da piedade nove Franciscos foram homenageados durante o desenvolvimento do enredo, de Francisco de Assis ao Papa Francisco.

A comissão de frente representava anjos de luz e espíritos semeadores, com uma coreografia dinâmica e bem sincronizada.

Depois de passar pela primeira cabine de jurados houve um problema com a primeira porta bandeira, a qual precisou inclusive deixar a passarela, precisando ser carregada. Segundo informações preliminares a porta bandeira não teria aguentado o peso da fantasia. O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira trazia a fantasia Irmão Sol, Irmã Lua.

A partir da segunda cabine de jurados, o segundo casal de porta-bandeira e mestre-sala assumiu o primeiro pavilhão da escola, com a fantasia Dandara e Zumbi dos Palmares.

Rose é a rainha de bateria com mestre Tereu em seu primeiro ano como mestre de bateria da Piedade.

Última alegoria, trazendo o Boi Garantido e a Ópera do Malandro, teve dificuldades para entrar na pista de desfile, sofrendo avarias em sua parte de baixo.

 

“…A voz da igualdade ecoou

Caminho de luz, praticar o bem

Minha religião é o amor

No morro o samba diz amém…”

 Unidos de Jucutuquara

A Jucutuquara vai abordar a arte, força e história dos negros para o Sambão do Povo com o enredo “Griot”, que são indivíduos que têm o compromisso de preservar e transmitir oralmente as histórias, os conhecimentos, e a arte de seu povo. Inspirados no significado dos Griots, a agremiação vai homenagear artistas negros de diversas atividades culturais.

O enredo da agremiação para este carnaval teve quatro setores.

A coruja é o símbolo da Jucutuquara e não veio desta vez de forma destacada no carro abre alas da escola, vindo sim na última alegoria.

A Jucutuquara tem no carnaval do Espírito Santo sete títulos, tendo sido a quarta colocada no carnaval de 2019.

Jorge Maicon e Vanderson Cesar são os carnavalescos, os mais jovens do Sambão do Povo, já tendo realizado desfiles no grupo de acesso.

A escola apresentou em seu desfile 20 alas, quatro carros e 1600 componentes.

A comissão de frente representou a lenda de Ananci, um homem meio humano, meio aranha, do coreógrafo Mauro.

O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira veio representando a coruja, símbolo da escola, símbolo da sabedoria.

As baianas apresentaram-se com saias feitas com folhas de E.V.A., o que propicia uma fantasia bem leve e sem problemas caso viesse a chover.

A rainha da bateria, Schirley, representou a Rainha do Marfim. A bateria da agremiação ensaiou por seis meses para este desfile da agremiação, executando durante o desfile sete bossas. Destaque para os timbaus que estavam na bateria.

A ala de passistas veio com 40 passistas femininas e dez masculinos.

A última alegoria teve problemas para passar pela pista de desfiles, logo depois de passar pelo recuo da bateria, adernando para um dos lados da pista, além de produzir muita fumaça.

 

“…Eu sou um Griot…

Pelas minhas palavras são perpetuadas histórias, tradições, mitos e segredos do meu povo

Eu sou um griot, um filho da diáspora …

Através das minhas diversas facetas artísticas, mantenho viva a chama ancestral da minha cor

Eu sou um Griot…

Um contador de história, siga-me e desvende os mistérios que habitam minhas palavras…”

Mocidade Unida da Glória – MUG

A MUG vai celebrar seus 40 anos em 2020 com o enredo “Oby – O Imaculado Santuário das Lendas”. No desfile, o Espírito Santo vai se transformar no santuário Oby (verde, em tupinambá), um paraíso indígena de onde surgem mitos e lendas, que vão ajudar a contar a história do nosso Estado.

A escola do Presidente Robertinho tem como carnavalesco Osvaldo Garcia.

Neste carnaval a MUG veio com 18 alas, quatro carros e um tripé, 1600 componentes.

Fernanda Figueiredo é a rainha de bateria da MUG, bateria do Mestre Carlos, já pelo segundo ano na agremiação.

O samba de enredo da MUG é fruto de uma encomenda, sendo Dudu Nobre e Diego Nicolau seus autores, já que a escola não faz festival para escolha de seu samba.

A comissão de frente é do coreógrafo Marcelo Lage com integrantes de índios canibais e um elemento como holandês.

O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira representou o pássaro de fogo.

Dona Oscarina, embaixadora das baianas da MUG, faz a coordenação da ala de baianas da agremiação e veio a frente da ala com uma fantasia mais leve, segundo a reportagem, por uma solicitação dela própria.

A escola acabou estourando o tempo de desfile, que no máximo é de 62 minutos, tendo terminado o seu desfile com 66 minutos.

 

“…Nossa história parte do olhar de um aventureiro holandês que tem seus sonhos engolidos por um naufrágio na costa capixaba, enquanto partia para o Novo Mundo em busca das riquezas minerais tão comentadas na Europa…”

Boa Vista

Em busca de mais uma estrela, a campeã do Carnaval Capixaba vai levar para o Sambão do Povo uma homenagem a música, artistas e bandas capixabas com o enredo: “O vôo da Águia anuncia: A festa é Boa pode chegar. Ao som de uma linda sinfonia. A música capixaba celebrar!”

O desfile vai homenagear nomes como Maurício de Oliveira, Natercia lopes, Mamíferos, Lula de Vitória, Carlos Papel, Amaro lima, Alexandre Lima, Manimal, Casaca, Macucos, Rock do Dia D, Xiru do Sul, Alemão do Forró, Beto Kauê, Andréa Nery, Edson Papo Furado, entre outros.

Campeã do carnaval de 2019, sediada em Cariacica, tem como carnavalesco da escola Robson Goulart.

A Boa Vista veio para este carnaval de 2020 com 18 alas, 04 alegorias e um tripé e 2000 componentes.

A comissão de frente foi coreografada por Márcia, tendo como integrante um menino, com todos os outros integrantes sendo adultos.

O casal de mestre-sala e porta-bandeira veio nas cores preto, branco e prata, com teclados sendo representados na saia da porta-bandeira.

A ala de baianas veio em azul, numa homenagem ao capixaba Roberto Carlos, com fotos do cantor em várias épocas de sua carreira.

A bateria, vestida elegantemente com casacas brancas, realizou várias bossas durante sua passagem.

 

“…A música faz emocionar

Sou capixaba o grande artista

A voz do povo vai ecoar

Canta Boa Vista…”

Novo Império

A aposta da Novo Império para o Carnaval Capixaba em 2020 é o universo infantil. O enredo “O Bê-a-bá dos Guris – Uma lição pra todos” vai defender o direito das crianças a partir do Estatuto da Criança e do Adolescente.

A agremiação já conquistou seis campeonatos no carnaval de Vitória.

O tema de enredo de 2020 foi dividido em quatro setores, sendo Petterson Alves o carnavalesco da Novo Império, que veio com 20 alas, quatro carros e um tripé e 1400 componentes.

O coreógrafo da comissão de frente é Patrick, que dentre um dos elementos apresentados trouxe o rato, como representação da usurpação dos direitos da criança. O elemento alegórico da comissão de frente foi chamado de metendo o pé.

A bateria da Novo Império veio com 185 componentes, o maior contingente de ritmistas até este momento da noite.

Os membros da velha guarda da agremiação vieram representando os membros do poder Judiciário que se preocupam com a defesa dos direitos das crianças.

A escola ultrapassou o tempo máximo de limite para o desfile, o que deve fazer com que seja punida com perda de pontos.

 

“…Queremos afirmar que criança precisa brincar, estudar, sonhar e ser feliz. É hora de romper os portais imaginários, buscar um mundo mais colorido, alegre e doce. É preciso acreditar nas garantias que a lei nos oferece…”

Imperatriz do Forte

A Imperatriz do Forte vai levar para avenida a Rota Imperial São Pedro D’alcântara, um percurso inaugurado em 1816 para ligar nossa capital Vitória à Ouro Preto, em Minas Gerais. O enredo “Das terras de Vila Rica à Vila Nova do Espírito Santo: Imperatriz engalanada apresenta a Rota Imperial de São Pedro D’Alcântara” vai contar sobre as belezas e histórias da rota criada por ordem do príncipe Dom João VI.

O carnavalesco da escola para este carnaval foi Elidio Neto.

A agremiação vem com 21 alas, três alegorias e dois tripés com 1200 componentes. As cores da escola são o verde e rosa.

Aconteceram problemas de acabamento nas alegorias apresentadas pela escola de uma forma geral.

Desfilaram junto com a Imperatriz do Forte vários grupos folclóricos de diversas etnias de colonizadores europeus que ajudaram a povoar a região de Vitória e arredores.

A bateria executou apenas uma bossa durante seu desfile, tendo vindo fantasiada com as cores da agremiação.

No final do desfile da escola iniciou a amanhecer em Vitória.

A escola terminou seu desfile no tempo de cronometragem correto, estabelecido pelo regulamento dos desfiles.

“…O vento soprou

Brilhou o ouro, preto e Vila Rica sorriu

Na Inconfidência do meu carnaval

Sigo a Rota Imperial, orgulho do Brasil…”

São Torquato

A escola de samba de São Torquato, que subiu para o Grupo Especial, vai levar contos de fadas, reinos encantados, mistérios e magia no enredo “O Portal das Ilusões”.

A escola, sediada em Vila Velha, foi a campeã do grupo de acesso A no ano passado, chegando neste carnaval no grupo especial das agremiações de Vitória.

O carnavalesco da escola é Edmilson Barbosa, tendo a escola desfilado com 20 alas, 03 alegorias e um tripé, com 1300 componentes, sendo as cores da escola o vermelho e o branco.

O enredo foi dividido em quatro setores para seu melhor entendimento.

A comissão de frente veio como Mandrake, o mágico, com um elemento alegórico.

O carro abre alas teve problemas para entrar na passarela, criando um grande espaço logo a frente deste. Para que a alegoria entrasse na pista de desfile foi necessário tirar umas peças laterais da alegoria. O carro durante o percurso na pista de desfiles apresentou problemas de alinhamento.

A rainha de bateria da São Torquato desfila pela primeira vez a frente dos ritmistas da escola nesse desfile de 2020.

A terceira alegoria da São Torquato nem entrou na pista de desfile do Sambão do Povo, por problemas, o que trará penalidades para a escola no momento da abertura dos envelopes na apuração das notas.

A bateria fez grandes paradinhas e o canto da escola sustentou essa lacuna muito positivamente.

Como já tradicional depois da escola passar formou-se o tradicional arrastão.

A escola também estourou o tempo máximo de desfile, devendo ser penalizada por isso também.

 

“…Contos de fadas têm romances e belezas

Princesas, gnomos, heróis imortais

No reino encantado a revelação

Me diz quem é a mais bela do nosso Sambão…”

Por Sidnei Louro Jorge júnior

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui