Trinta de agosto marca mais um ano de morte do cantor e compositor Agepê, membro da ala de compositores da Portela

0
284

 

Antônio Gilson Porfírio, popularmente conhecido como Agepê, nasceu na cidade do Rio de Janeiro no ano de 1942 faleceu em trinta de agosto de 1995.

Antes de abraçar a carreira artística, Agepê trabalhou como transportador de bagagem e também atuou como técnico projetista da extinta TELERJ.

A carreira fonográfica iniciou no ano de 1975 com o lançamento do compacto com a música “Moro onde não mora ninguém”, primeiro sucesso do cantor, canção esta que seria regravada posteriormente pelo também cantor Wando. Nove anos depois, aconteceu o lançamento do sucesso “Deixa eu te amar”, na época parte da trilha sonora da novela global “Vereda Tropical”.

O disco de Agepê “Mistura Brasileira”, onde estava a gravação de “Deixa eu te amar”, foi o primeiro disco do gênero samba a ultrapassar a marca de um milhão de cópias vendidas (vendeu um milhão e meio de cópias).

Agepê fez parte da ala dos compositores da Portela, tendo no ano de 1972 ele e seu fiel e mais constante parceiro, o alagoense Antonio José Feitosa, o Canário, composto seu primeiro samba enredo para a águia azul e branca de Madureira na disputa do enredo “Pasárgada, o amigo do rei”, baseado no poema homônimo de Manuel Bandeira e escolhido para marcar o cinquentenário portelense. Esse samba acabou ficando em segundo lugar, perdendo para a composição de David Corrêa na época.

“…Direi
Como eu mudei
Mas ficou a infância
No jardim do meu sonhar
Tudo era ciranda
Um coração cheio de amor
Mas veio a vida e meu sol mudou…”

(Trecho do samba concorrente composto por Agepê e Canário para a Portela – Carnaval carioca de 1973) 

Agepê gravou “O amigo do rei” em seu dico “Canto de esperança” lançado no ano de 1978, o primeiro do cantor pela gravadora CBS.

Agepê já era um cantor consagrado no meio dos intérpretes de sucessos populares quando voltou a concorrer com um samba enredo para a disputa na sua Portela. O tema era “Das maravilhas do mar, fez-se o esplendor de uma noite”, enredo de autoria do saudoso carnavalesco Viriato Ferreira. Naquela oportunidade a dupla de compositores Agepê e canário recebeu o reforço do compositor Ivancoé.

O trio de compositores optou por um samba mais interpretativo do que descritivo, como era a tônica da época, com dois refrões arrasta-povo e uma melodia bem suingada. No entanto, a composição não conseguiu desbancar o empolgado samba de David Corrêa e Jorge Macedo, considerado o melhor do carnaval de 1981 e um dos mais bonitos da história da Portela.

…”Portela é uma onda na avenida
Minha escola é minha vida
Me faz recordar
Dá uma saudade colorida
As maravilhas do mar
Veio com a corte engalanada
Fazendo a miscigenação…”

(Trecho do samba concorrente composto por Agepê, Canário e Ivancoé para a Portela – Carnaval carioca de 1981)

O samba-exaltação “Portela na Avenida”, composto no ano de 1981 por Paulo César Pinheiro e Mauro Duarte, foi gravado por Agepê no ano de 1989.

Ainda durante a carreira de Agepê, muitas foram as oportunidades em que o cantor interpretou diversos sambas de enredo de agremiações cariocas, como União da Ilha do Governador 1994, Acadêmicos do Salgueiro 1994 e claro sua Portela 1994, além de muitos outros.

Agepê veio a morrer em 30 de agosto de 1995 tendo sido sepultado no Cemitério São Francisco Xavier no Rio de Janeiro.

Por Sidnei Louro Jorge Júnior

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui