SP – Primeiro final de semana de ensaios técnicos levou bom público ao Anhembi

0
124

 

Desde o último dia 10 de janeiro, o complexo do Anhembi em São Paulo, tem sido ocupado pelas escolas de samba paulistanas, em função dos ensaios técnicos com vistas ao carnaval de 2020 que se aproxima.

A Estrela do terceiro Milênio abriu a temporada de ensaios técnicos paulistana.

Durante seu primeiro ensaio técnico a escola veio animada, com um elemento alegórico logo após a comissão de frente, elemento este que lembra as formas de uma embarcação, mas estava coberta por plástico preto.

O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira vestia fantasias com as cores características dos bois Garantido e Caprichoso, vermelho e azul.

A bateria demonstrou firmeza e organização para entrar no box, também dividida entre as cores azul e vermelho. O verde predominava na vestimenta das baianas da escola.

Os bois Caprichoso e Garantido estiveram representados no ensaio da agremiação.

Durante este ensaio a escola não contou com alas coreografadas e pareceu estar com seu contingente diminuído.

A escola fechou seu ensaio com pouca assistência presente nas arquibancadas do Anhembi.

Em 2020 a Estrela do Terceiro Milênio será a primeira escola a desfilar do domingo, 23 de fevereiro, no Sambódromo do Anhembi, pelo Grupo de Acesso 1.

A seguir, nesta mesma noite foi a vez da Camisa Verde e Branco ocupar a pista para seu ensaio.

A agremiação da Barra Funda trará enredo em homenagem ao músico Carlinhos Brown, sob o título “Ajayô: Carlinhos Brown, candombléss, tambores e batuques ancestrais” do carnavalesco Cláudio Cavalcante.

No ensaio se pode observar passos de dança afro na comissão de frente, que não trouxe elemento alegórico. O casal de mestre-sala e porta-bandeira veio nas cores azul, verde e amarelo predominantemente, estando ladeado por guardiões nas laterais. Ala de baianas em verde cítrico e branco.

A ala infantil coreografa foi destaque no ensaio. Destaque também para o casal mirim de porta-bandeira e mestre-sala.

Boa quantidade de pessoas já ocupava as arquibancadas do Anhembi durante o ensaio da escola.

A bateria ao sair do Box encerrou o ensaio da escola, mostrando boa cadência e firmeza, além de entrosamento com o carro de som.

O Camisa será a penúltima escola a desfilar na terceira noite de desfiles oficiais no Anhembi.

Já no sábado 11 de janeiro, os ensaios iniciaram com a apresentação da Uirapuru da Mooca, que no próximo carnaval trará o enredo “Deuses, Lendas, Conquistas e Riquezas…o mar…é preciso preservar para a vida prosperar”, na disputa pelo título do Grupo de Acesso 2, projeto desenvolvido por uma comissão de Carnaval liderada por Antonio Carlos Castro Ghiraldini.

O ensaio ainda iniciou com o brilho do sol e pouca assistência nas arquibancadas.

Logo após a comissão de frente em branco, destaque para a ala das baianas, predominantemente nas cores azul e amarelo.

O casal de mestre-sala e porta-bandeira veio nas cores laranja e amarelo.

Ala coreografa fez-se presente. A bateria ao sair do recuo, fechou a apresentação da escola.

Na seqüência veio de Leandro de Itaquera, que em 2020 levará para o Anhembi o enredo “Das Savanas Africanas Às Savanas de Itaquera… Sou África! Berço do mundo. Os Leões de uma força Abençoada”.

A vestimenta da comissão de frente lembrava peles de animais. Na seqüência a ala de baianas veio em tons de amarelo e ouro.

A escola apresentou um canto forte e coeso de sua comunidade presente ao ensaio. Alas coreografas também fizeram-se presentes.

A entrada da bateria no recuo foi um pouco demorada e desorganizada.

Uma das alas muito aplaudidas no ensaio foi a com cadeirantes e portadores de necessidades especiais.

A bateria saiu do recuo pouco antes das últimas alas da escola.

Iniciando os ensaios das escolas do grupo especial, depois da Leandro veio a Mocidade Alegre, que em 2020 trará o enredo “Do Canto Das Yabas, Renasce Uma Nova Morada”.

Antes da comissão de frente, que trouxe um elemento alegórico, veio anunciando a escola a Presidente Solange.

Observou-se muitas alas coreografadas na escola, que veio muito organizada e com canto muito forte de seus componentes.

O casal de porta-bandeira e mestre-sala caprichosamente fantasiado, arrancou muitos aplausos da assistência. Todos os casais da escola apresentaram-se ricamente fantasiados no ensaio da Mocidade Alegre.

Um elemento alegórico foi trazido pela escola fazendo ás vezes do abre alas, com o nome da escola em destaque e uma bela escultura caprichosamente decorada.

Outro destaque foi a rainha da bateria, com fantasia em tons de amarelo e vermelho, lembrando chamas, fogo.

As coreografias das alas faziam menção aos orixás femininos quer a escola vem homenageando neste carnaval.

A ala de baianas apresentou-se muito organizada com roupas nas cores branco e roxo.

O intérprete da Mocidade, Igor Sorriso veio todo o tempo incentivando as pessoas a cantar o samba da escola, tanto os desfilantes quanto a platéia.

O ensaio da Mocidade Alegre foi encerrado pela Velha Guarda da escola.

Logo em seguida foi a vez da Unidos de Vila Maria ocupar a pista de desfile, escola que trará o enredo “China: o sonho de um povo embala o samba e faz a vila sonhar” do carnavalesco Cristiano Bara.

Já desde a comissão de frente a Vila Maria mostrou cuidado na preparação do ensaio técnico. Destaque para os leques que traziam os componentes da comissão, juntamente com sombrinhas chinesas multicoloridas.

Várias alas coreografadas puderam ser observadas.

Fogos de artifício estouraram no céu durante o ensaio da Vila Maria.

Sávia David a frente das bateria representou muito bem o seu papel de majestade da escola.

A ala de crianças mostrou-se extremamente empolgada durante o ensaio.

Ótimo público assistiu o ensaio da Vila Maria.

Encerrando o sábado de ensaio a pista foi ocupada pela Flor da Vila Dalila, que apresentará o enredo “No toque do tambor… crença que o tempo não apaga”, do carnavalesco Mauro Xuxa.

Já na abertura de seu desfile a escola trouxe um pede passagem com o símbolo da escola.

O recuo da bateria foi bem organizado e rápido, não causando espaços na escola.

Ala de baianas apresentou-se com saias em tons de azul.

A bateria encerrou o desfile da agremiação, logo que saiu do seu recuo.

A agremiação disputa o Grupo de Acesso 2, quando será a primeira escola a desfilar na segunda-feira, dia 24 de fevereiro, no Sambódromo do Anhembi.

E finalmente no domingo, que abriu os ensaios foi a Pérola Negra, que se apresentou sob forte chuva. Para 2020 a escola trará o enredo “Bartali Tcherain – A estrela cigana brilha na Pérola Negra!” do carnavalesco Anselmo Brito.

A comissão de frente apresentou-se com um elemento alegórico, apresentando um bailado vibrante.

Em função da forte chuva, muitos componentes da escola vestindo capas plásticas.

Logo nas primeiras alas vieram as baianas da escola, girando com força e garra.

A bateria apresentou coreografia durante seu deslocamento pela pista de desfile, sendo por isso muito aplaudida. Puderam ser observadas também muitas alas coreografadas.

Grande ala de ciganas pode ser observada no ensaio da Pérola Negra.

Campeã do Grupo de Acesso de 2019, a Escola de Samba Pérola Negra retornou à elite do samba e vai abrir os desfiles do grupo especial do carnaval de 2020, dia 22 de fevereiro, em São Paulo.

E fechando o domingo foi a vez da Independente Tricolor ensaiar no Anhembi. A escola trará o enredo “Utopia. É preciso acreditar”, do carnavalesco Fábio Gouveia.

Assim com a escola que a antecedeu, a Independente ensaiou sob chuva, mas a escola ensaio com garra e força.

A bateria entrou no recuo de forma ordenada e organizada. Grandes bandeiras pontuaram o cortejo da agremiação.

As baianas vieram em branco e vermelho.

O incêndio que aconteceu no barracão da escola parece não ter tirado a garra da comunidade da agremiação.

A escola desfilará no grupo de acesso 1 do carnaval paulista.

Por Sidnei Louro Jorge Júnior

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui