RJ – Rio consagra o talento da juventude na campeã e vice do Grupo Especial

0
572
Com o campeonato, Marcus Ferreira e Tarcísio Zanon deixam de ser promessas. Foto Luciano Belford

Passada a apuração das notas do Grupo Especial no Rio de Janeiro, o que fica como destaque foram as apostas da Unidos do Viradouro e Acadêmicos do Grande Rio em jovens e promissores talentos a frente dos projetos que empataram na ponta da tabela, sendo preciso usar o critério desempate para definir a escola campeã.

A vermelho e branca de Niterói ousou e foi criticada ao formar a inédita dupla Marcus Ferreira e Tarcísio Zanon. Os dois que já haviam vencido, em trabalho solo, a série A em outros anos, tiveram que provar no dia a dia que estavam prontos a protagonizar a festa que era dominada por nomes como Leandro Vieira e Paulo Barros. Com trabalho impecável em alegorias e fantasias, nem o fantasma de Domingo tirava a escola do Barreto do desfile das Campeãs. A consagração veio após abertura de todas as notas, primeiro lugar com todos os méritos e desconfiança nunca mais. Lembrando que em 2017, depois de levar o Império Serrano ao Especial, Marcus foi demitido com a infundada alegação de possuir “pouca experiencia” para tocar um projeto no Grupo Especial. Fato parecido com a vitoria solo de Zanon com o Estácio em 2019, onde o leão contratou Rosa Magalhães para dividir o projeto de 2020. A Parceria não teve exito, ainda bem, graças o convite da Viradouro, que levou Tarcísio para ser Campeão ao lado do seu parceiro Marcus.

Os talentosos Haddad e Leo Bora – Foto Divulgação

A dupla vice campeã Gabriel Haddad e Leonardo Bora, já chamava atenção desde 2016, onde se consagraram com a acadêmicos do Sossego em um dos melhores enredos daquele ano. Apos trabalhos incríveis na Cubango, a Grande Rio em busca de renovação, acertou em cheio na contratação da dupla. A Tricolor fez um dos seus mais belos desfiles em anos. Em meio a nomes como Rosa, Renato Lage, Alex de Souza e Paulo Barros, a assinatura artesanal de Haddad e Bora se consolidou como uma das mais belas plasticas que passaram pela Maques de Sapucaí em 2020.

Em contrapartida, com 50 carnavais no currículo, Rosa Magalhães sofreu um inesperado rebaixamento em sua vitoriosa carreira. Outro rebaixado, o experiente e campeão mestre Laíla não conseguiu evitar a queda da União da Ilha.

Por Waldir Tavares

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui