RJ – Retrospectiva dos desfiles nos dez primeiros anos do sambódromo carioca – Unidos do Viradouro

0
744

 

Para o carnaval carioca de 1984 foi reservada a inauguração de uma estrutura fixa de concreto na Marquês de Sapucaí,  uma antiga reivindicação das escolas de samba, que a cada ano viam uma estrutura ter que ser totalmente montada e depois do carnaval desmontada, como aconteceu até o carnaval do Rio de Janeiro de 1983.

Marquês de Sapucaí – Ano de 1983 – Construção do novo Sambódromo Carioca

O primeiro carnaval acontecido no novo sambódromo do Rio aconteceu no ano de 1984, onde as escolas da elite do carnaval carioca foram pela primeira vez divididas em dois dias de desfiles, com uma disputa a cada dia, onde as três primeiras colocadas de cada dia, no sábado seguinte disputaram o inédito supercampeonato, título este até hoje pertencente a Estação Primeira de Mangueira.

Fundada no ano de 1946 na cidade de Niterói, a Unidos do Viradouro, passou a desfilar desde o carnaval de 1949 no grupo especial de Niterói, já tendo sido campeã nesse seu primeiro desfile, quando apresentou o enredo “Araribóia”.

Na inauguração da Marquês der Sapucaí no ano de 1984, neste mesmo ano a Unidos do Viradouro foi campeã no grupo especial do carnaval de Niterói, quando apresentou o enredo “O sonho de Ilê Yfé” desenvolvido pelos carnavalescos Yarema Ostrog, Hilda Perna e Adriano Jorge.

Até o carnaval niteroiense de 1985 a Unidos do Viradouro contava com 18 campeonatos no grupo de elite das escolas de samba de Niterói.

O carnaval de Niterói de 1985 marca o último desfile da Viradouro na cidade, quando apresentou o enredo “Na terra de Antônio Maris, só não viu quem não quis”, do mesmo grupo de carnavalescos do desfile de 84. Com este desfile a escola ficou com o vice campeonato empatada com a Acadêmicos do Sossego.

 

Tendo em  sua bagagem dezoito títulos no carnaval de Niterói, depois de seu desfile de 1985 na cidade do outro lado da Baía da Guanabara, a Viradouro resolveu tentar a sorte do carnaval carioca, onde já tinha desfilado nos carnavais de 1964 e 1965.

Daí passou a desfilar na capital fluminense a partir do carnaval de 1986, onde fez bons desfiles nos grupos inferiores, tendo sido campeã do Grupo 2 em 1989 com o enredo “Mercadores e Mascates” e campeã do Grupo 1 no ano seguinte com “Só Vale o Escrito”, chegando ao Grupo Especial das escolas de samba do Rio de Janeiro no carnaval de 1991.

Para estrear no grupo principal do carnaval do Rio de Janeiro a Unidos do Viradouro manteve o experiente carnavalesco Max Lopes que já tinha sido o responsável pela vitória da escola no ano anterior e sua promoção para o grupo de elite carioca.

O enredo escolhido para esta estreia foi “Bravo! Bravíssimo! – Dercy Gonçalves, o retrato de um povo”, enredo este sobre a vida e obra da inesquecível Dercy Gonçalves.

Unidos do Viradouro – Desfile de 1991

Com essa homenagem à atriz e comediante Dercy Gonçalves, a Viradouro surpreendeu aqueles que estavam na Marquês de Sapucaí, tendo ao final da apuração ficado com a sétima colocação, classificação esta que deixou a iniciante na frente de agremiações tradicionais do Rio de Janeiro, como Estação Primeira de Mangueira e Unidos de Vila Isabel. Nesse carnaval de 1991 o Império Serrano devido a sua péssima colocação acabou sendo rebaixado para o grupo de acesso no ano seguinte.

Viradouro e Beija Flor de Nilópolis tiveram a mesma quantidade de pontos, mas pelos critérios de desempate, a escola niteroiense acabou caindo para a 7ª posição.

Esse desfile de 1991 da Viradouro foi muito bonito e alegre, tendo recebido muitos elogios pela crítica especializada, tendo a homenageada desfilado no carro abre alas da escola, surpreendendo a todos com seus seios à mostra.

A escola iniciou seu desfile ainda com o dia claro no Rio de Janeiro, ocasião em que uma chuvinha fraca fez questão de acompanhar a escola durante seu trajeto na pista da Sapucaí.

Unidos do Viradouro – Desfile de 1991

Com este desfile a Viradouro, por sua ala de crianças, recebeu a premiação do Estandarte de Ouro.

Para o carnaval de 1992, Max Lopes permaneceu na agremiação e para aquele carnaval concretizou o enredo “E a magia da sorte chegou”, enredo este que tinha por objetivo contar a história e o costumes do povo cigano.

Com esse desfile sobre os ciganos a Viradouro realizou um dos maiores e melhores carnavais de sua história, mesmo que tenham acontecido incidentes durante o desfile da escola que ao final tiraram pontos preciosos da agremiação.

A escola  teve problemas com a evolução e com o incêndio de uma das alegorias mais belas daquele desfile que ao chegar ao final da pista de desfile foi consumida pelo fogo, não havendo nenhuma vítima, para sorte da escola.

Unidos do Viradouro – Carnaval de 1992

Um dos mais belos carros daquele ano, que vinha retratando a Sibéria incendiou por completo ao chegar quase que ao final da pista da Sapucaí, estando a escola com apenas seis minutos para concluir seu desfile. Durante o tempo em que as chamas consumiram a alegoria por completo, a escola ficou parada, evoluindo na pista.

Essa situação fez com que a agremiação passasse treze minutos do tempo máximo de desfile, conforme regulamento da época, o que trouxe para avermelho e branco de Niterói um prejuízo de 13 pontos que foram descontados no cômputo geral das notas alcançadas pela escola, perda de pontos esta que levou a agremiação para a nona colocação ao final da apuração das notas.

Com este belo desfile a Viradouro recebeu o Estandarte de Ouro de melhor samba enredo, ala de baianas e passista feminino.

O carnavalesco Max Lopes ainda se manteve na escola para o carnaval de 1993 ao lado de Mauro Quintaes, ano que que a agremiação apresentou o enredo “Amor, Sublime Amor”, com samba de autoria dos compositores Heraldo Faria, Flavinho machado e Gelson.

 

“…Clareia mãe Oxum, clareia minha fé
Para as crianças a pureza
Do bem me quer, do mal me quer
A Viradouro clama em versos
Paz e amor no universo…”

(Treho do samba enredo da Unidos do Viradouro para o carnaval de 1993)

Entrando na Sapucaí logo depois de encerrado o desfile da União da Ilha do Governador, a Unidos do Viradouro tinha por objetivo com o enredo deste carnaval apresentar o amor em seus mais diferentes aspectos, iniciando pelo amor à própria escola de samba até o amor pela natureza ou pela liberdade e também nos famosos romances como o de Maria Bonita e Lampião.

Unidos do Viradouro – Desfile de 1993 – Alegoria representativa de Oxum

Max Lopes com este desfile encerraria seu ciclo na Viradouro que vinha desde o carnaval de 1990. Alegorias e fantasias destacaram-se por sua concepção e beleza, mas o fato é que a Viradouro teve problemas com sua evolução, passando pela Sapucaí sem entusiasmar a plateia, tendo a escola ao final conquistado a sétima colocação.

Para o carnaval seguinte a escola contratou ninguém menos que o gênio Joãosinho Trinta que tinha saído da Beija Flor depois do carnaval de 1992, mas esse é assunto para uma nova coluna.

 

 

Por Sidnei Louro Jorge júnior

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui