RJ – Mocidade Independente de Padre Miguel completa hoje seus 65 anos de fundação

0
415

 

Fundada em 10 de novembro de 1955 por Sílvio Trindade, Renato da Silva, Djalma Rosa, Olímpio Bonifácio (Bronquinha), Ary de Lima, Jorge Avelino da Silva , Orozimbo de Oliveira (Seu Orozimbo), Garibaldi F. Lima, Felipe de Souza (Pavão), José Pereira da Silva e Alfredo Briggs, a partir de um time de futebol amador da época, o Independente Futebol Clube, a Mocidade Independente de Padre Miguel festeja hoje seus 65 anos de fundação.

Mocidade Independente de Padre Miguel – Carnaval de 2019

Observando-se sua trajetória histórica podemos notar que o crescimento da agremiação se deu após os anos 1970, quando passou a ser patrocinada pelo bicheiro Castor de Andrade, grande torcedor da Mocidade.

Castor de Andrade – Patrono da Mocidade Independente de Padre Miguel

Outra grande conquista da escola se deu em setembro de 2012 com a inauguração da nova quadra da agremiação à beira da Avenida Brasil, chamada por muitos de “Maracanã do Samba” visto seus trinta e três mil metros quadrados, e capacidade para receber te doze mil pessoas. São quase 1.700 metros quadrados só de térreo, além de vinte e oito camarotes no segundo andar, o maior deles com trinta e dois metros quadrados e com capacidade para até cinquenta pessoas. Fora as duas mil vagas de estacionamento e das vagas exclusivas para convidados especiais.

Quadra da Mocidade localizada na Avenida Brasil

No carnaval carioca de 1958 a escola conquistou seu primeiro campeonato, desfilando no grupo 2 da época, quando apresentou o enredo “Apoteose do Samba” do carnavalesco Ari de Lima.

A verde e branco do bairro de Padre Miguel tem em sua galeria seis vitórias no grupo especial das escolas de samba do Rio de Janeiro, nos anos de 1979, 1985, 1990, 1991, 1996 e por último no carnaval carioca de 2017.

Com relação à premiação concedida anualmente pelo grupo de julgadores do Estandarte de Ouro, do Jornal O Globo, a Mocidade Independente de Padre Miguel tem nos quesitos enredo, bateria, passista feminino e revelação suas maiores premiações.

No carnaval de 1979 a escola de Padre Miguel conquistou seu primeiro campeonato no grupo especial das escolas de samba do Rio, na época com o enredo “O Descobrimento do Brasil”, na época idealizado pelo carnavalesco Arlindo Rodrigues.

Mocidade Independente de Padre Miguel – 1979

Na inauguração da passarela do sambódromo da Marquês de Sapucaí no ano de 1984, a Mocidade conquistou o vice campeonato desfilando na segunda-feira de carnaval e no supercampeonato ficou com a terceira colocação apresentando o enredo “Mamãe eu quero Manaus” do icônico carnavalesco Fernando Pinto.

Ainda sob a batuta de Fernando Pinto a Mocidade voltou ao topo do pódio no carnaval de 1985 com o enredo “Ziriguidum 2001, um carnaval nas estrelas”, desfile extremamente inovador e moderno para os padrões da época.

A morte prematura de do carnavalesco Fernando Pinto no ano de 1987, num acidente de carro quando ia para casa depois de um ensaio da escola, deixou a todos os torcedores da escola chocados, tendo o desfile de 1988 com o enredo “Beijim, beijim, bye bye Brasil” conquistado apenas uma oitava colocação.

Carnavalesco Fernando Pinto

O carnavalesco Renato Lage chegou na escola para o carnaval de 1990 juntamente com a também carnavalesca Lilian Rabelo, tendo os mesmos trabalhados como uma dupla até o carnaval de 1992. Chegaram na agremiação e logo a escola de Padre Miguel foi bicampeã nos carnavais de 1990 e 1991 com os enredos “Vira, virou, a Mocidade chegou” e “Chuê, chuá, as águas vão rolar” respectivamente.

Mocidade Independente de Padre Miguel – Carnaval de 1990

Até o carnaval carioca de 2002 Renato Lage permaneceu como carnavalesco da Mocidade, tendo levado a agremiação a mais um outro campeonato no ano de 1996 com o enredo “Criador e Criatura”.

Mocidade Independente de Padre Miguel – Carnaval de 1996

Além dos dois campeonatos de 1990 e 1991 e do primeiro lugar no carnaval de 2017, Renato Lage levou a Mocidade a retornar no desfile das campeãs cariocas nos carnavais de 1992, 1993, 1995, 1997, 1998, 1999, 2000 e 2002.

Somente no carnaval de 2017 é que a Mocidade Independente de Padre Miguel volta a ganhar desta vez com o carnavalesco Alexandre Louzada que apresentou o enredo “As mil e uma noites de uma ‘Mocidade’ pra lá de Marrakesh”, campeonato este anunciado bem depois de encerrado o carnaval carioca daquele ano, em função de um recurso intentado pela direção da escola junto a LIESA.

Mocidade Independente de Padre Miguel – Carnaval de 2017

O carnaval de 2020 foi emblemático para todo o torcedor da Mocidade Independente já que o enredo apresentado pelo carnavalesco Jack Vasconcelos foi em homenagem a uma das grandes figuras da escola, a cantora Elza Soares sob o título “Elza Deusa Soares”, que levou a escola ao terceiro lugar.

Elza Soares – Enredo da Mocidade no Carnaval Carioca de 2020

Para seu próximo desfile na Sapucaí a Mocidade Independente, com novo carnavalesco, já que Fábio Ricardo foi contratado pela escola depois do último carnaval, a escola anunciou o enredo “Batuque ao Caçador, mas até aqui nada mais foi divulgado, nem mesmo a logo oficial do enredo, a sinopse deste e muito menos como acontecerá a escolha do samba para embalar esse desfile.

Nesses sessenta e cinco anos de existência, a Mocidade Independente de Padre Miguel teve personagens emblemáticas como o inesquecível Mestre André, que esteve a frente da bateria da escola de 1957 a 1966 e de 1968 a 1980, o intérprete Ney Viana, tia Nilda que por muitos carnavais esteve a frente das baianas da escola, Babi e Lucinha Nobre como porta bandeiras da escola por vários carnavais e Adele Fátima e Monique Evans que reinaram a frente dos ritmistas da escola.

Monique Evans na Mocidade Independente de Padre Miguel – Carnaval de 1985

Por Sidnei Louro Jorge Júnior

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui