RJ – Imperatriz Leopoldinense divulga sinopse do enredo homenagem a Arlindo Rodrigues

0
561
Foto: Alexandre Durão/G1

A Imperatriz Leopoldinense divulgou na noite desta quarta feira (02), a sinopse para o enredo “Meninos eu vivi…Onde canta o sabiá, onde cantam Dalva e Lamartine“, uma homenagem ao saudoso Carnavalesco Arlindo Rodrigues. O enredo será desenvolvido por Rosa Magalhaes. A sinopse foi dedicada ao patrono Luiz Pacheco Drummond que, antes de falecer este ano, tinha o desejo de homenagear o carnavalesco que deu o primeiro título da Imperatriz nos desfiles das grandes Escolas de Samba do Rio de Janeiro.

SINOPSE – Meninos eu vivi…Onde canta o sabiá, onde cantam Dalva e Lamartine
“La la la la lauê
Fala Martim Cererê!
Vem cá, Brasil,
Deixa eu ler a sua mão, menino,
Que grande destino reservaram pra você. ”

A música tocava todos os dias na novela de Dias Gomes, uma adaptação de Romeu e Julieta passada num subúrbio do Rio. Não sei quem era Montechio ou Capuleto – mas a música nos levava ao subúrbio, a uma escola de samba. Foi Fernando Pamplona que sugeriu a Dias Gomes, autor da novela, que tomasse a pequena e desconhecida escola de samba de Ramos como sede de sua locação. Ficou conhecida a escola, seu compositor Zé Catimba e o magnífico samba, cujos versos previam um futuro grandioso para um menino que ainda jovem entrou para o Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Seu nome era Arlindo Rodrigues. Lá conheceu Fernando Pamplona no setor de Cenografia e Montagens. Aprendeu rapidamente e logo se tornou um colaborador nas invencionices do amigo Fernando. Foi assim que entrou em contato com a escola de samba Acadêmicos do Salgueiro. Para lá foi Fernando, para lá foi Arlindo. E juntos fizeram os desfiles tomarem outros rumos – “que grande destino reservaram pra você…” Adicionaram elementos de espetáculos teatrais – como colocar fantasia na bateria – uma inovação –, utilizar proporções grandiosas para os trajes, bordar em grandes espaços, dando visibilidade aos desenhos, e a utilizar de materiais inusitados como os espelhos, que foram substituir as luzinhas, tão em voga na época embora ineficientes. Os temas eram absolutamente inéditos, criando uma nova vertente para enredos cujas histórias não constavam dos livros escolares, como a de Zumbi
dos Palmares, de Chica da Silva e de tantos outros, dando ênfase a assuntos ligados a negritude. Muitos desses enredos acabaram virando filmes, dado o sucesso que alcançaram. Um dia, Arlindo resolveu mudar de ares e de escola de samba, e foi
para a Mocidade Independente de Padre Miguel.

Deu Arlindo na cabeça! O enredo Descobrimento do Brasil conseguiu desbancar as outras concorrentes, deixando até mesmo o Salgueiro de seu amigo Pamplona para trás. Foi o primeiro campeonato da escola de Padre Miguel. Alguns temas tinham forte cunho nacionalista. Arlindo dirigira um espetáculo no Theatro Municipal com música de Villa Lobos intitulado Descobrimento do Brasil. Pois virou enredo em várias ocasiões sob ângulos diferentes. A Canção do Exílio lhe serviu de referência para o desfile da Imperatriz em 1982, “Onde canta o Sabiá”, e foi um representante do romantismo em sua obra. Em cada carnaval, um novo Brasil nos era apresentado através de suas interpretações da cultura do nosso povo. Depois de uma breve permanência em Padre Miguel, aceitou o convite para assumir o carnaval da escola de samba Imperatriz Leopoldinense, a convite de seu presidente Luizinho Drumond. Escolha acertada, e o presidente, disposto a levar sua escola para ficar entre as melhores dos desfiles, deu carta branca ao carnavalesco. Novamente a estrela de Arlindo iria brilhar. E Gonçalves Dias influenciou sua obra, impregnada de nacionalismo romântico com toques do modernismo de Villa-Lobos e de seu Descobrimento do Brasil, a negritude na louvação à Bahia e ao Carnaval de Lamartine. Por uma dessas incríveis coincidências, Arlindo conhecera pessoalmente Lamartine, que era júri de concurso de quadrilhas em Ramos, sendo Arlindo o criador do troféu desse mesmo concurso.

“Eu vou embora, vou, no trem da Alegria, ser feliz um dia…” Seria uma alusão à estrada de ferro que passava em Ramos ou ao trenzinho caipira do Villa-Lobos? Inquietos, tanto o presidente Luisinho quanto Arlindo, depois de separados por um tempo, voltaram a se encontrar para celebrar a Estrela Dalva. Novamente o teatro se misturou ao carnaval, pois o espetáculo Dalva lotava todos os dias o Teatro João Caetano. Foi nesse ano que a estrela Arlindo se apagou, deixando lembranças de grandes criações tão brasileiras. Vendo o programa do espetáculo Descobrimento do Brasil, notamos mais um de seus achados. Na lista de aderecistas, na ficha técnica, um deles se destaca: João Jorge Trinta, que viria a se tornar um grande carnavalesco.

Eles viveram tudo que contei, mas eu… meninos, eu vi.
Rosa Magalhães, carnavalesca.

Bibliografia Consultada
Zé Katimba- antes de tudo um forte- Luiz Leitão ´Acervo universitário do Samba – vol 2 – 2016
100 Anos de Carnaval no Rio de Janeiro- Haroldo Costa – editora
Irmãos Vitale 2001
O Maior Espetáculo da Terra -´Luiz Carlos Prestes editora Lacre –
2015
Wikipedia – Acadêmicos do Salgueiro
Enredo – Onde canta o sabiá – 1982- gres Imperatriz Leopoldinense
Enredo – Estrela d’Dalva – 1987-gres Imperatriz Leopoldinense
Catálogo da Exposição – Arlindo Rodrigues Carnavais de Arlequins e
querubins-Dr Ricardo Lourenço- idealizador e curad

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui