RJ – Em 2010 Rosa Magalhães abre o desfile do Especial e quebra tabu de 12 anos ao permanecer no grupo

1
2660
Wigder Frota
Desde 1998 que uma escola abrindo o desfile de domingo não conseguia se manter no grupo Especial.

A União da Ilha que estava a oito anos no grupo de acesso, em 2009 vencia o carnaval e voltava ao Grupo Especial. Para se manter no grupo, contratou a carnavalesca Rosa Magalhães, que havia sido demitida da Imperatriz Leopoldinense após dezenove anos de serviços prestados à agremiação de Ramos.

Para o carnaval de 2010 a escola contaria a história de Dom Quixote de la Mancha e sobre os sonhos impossíveis, inclusive a própria escola tinha o sonho de permanecer na elite.

No desfile o enredo foi bem desenvolvido por Rosa, mostrando o requinte habitual nas alegorias e figurinos desenvolvidos pela carnavalesca.

A comissão de frente era formada por toureiros, que jogavam rosas para o público. O gigante abre-alas tinha um Dom Quixote com livros em volta.

O samba-enredo funcionou e o cantor Ito Melodia com ótima atuação, inclusive seria o vencedor do Estandarte de Ouro de melhor intérprete.

A Ilha terminou seu desfile com a certeza de ter cumprido um bom papel e a sonhada permanência não era mais impossível, e apesar de sempre os jurados canetarem as escolas que abrem os desfiles, havia boa perspectiva para a apuração.

Na apuração da Quarta Feira de Cinzas, contando com o péssimo desfile da Unidos do Viradouro (que foi a unica rebaixada) e ótimo desfile da escola, a União da Ilha obteve o décimo primeiro lugar, com 293,8 pontos.

Divulgação

Seria a consagração de Rosa Magalhães que após missão cumprida, deixa a escola poucas semanas após do carnaval. Este ano, ela se dividiu entre os grupos Especial e Acesso, onde faz o carnaval do Império serrano que alcançou a sexta colocação e também deixou a escola.

Para 2011, assume o carnaval da Vila Isabel, onde em 2013, conquista o campeonato do Grupo Especial com a escola de Noel.

Em 2020, a carnavalesca tem a dura tarefa de novamente abrir o carnaval com o velho Estácio de Sá. O enredo “Pedra” não foi bem recebido por especialistas, porém se tratando de Rosa, mesmo em um ano fortíssimo, é melhor não subestimar a professora.

A escola sabe que a concorrência não vai ser fácil. Por isso, segue com boa parte da equipe campeã do acesso em 2019, como o mestre de bateria Chuvisco, o intérprete Serginho do Porto, o primeiro casal José Roberto e Alcione Carvalho e a coreógrafa Ariadne Lax.

Por Waldir Tavares

 

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui