PAULO BARROS

1
425

 

Ele já foi apontado como o carnavalesco que mais recebe por um projeto de carnaval apresentado na pista de desfiles da Marquês de Sapucaí, já que chegou a ser noticiado que recebeu o valor de R$100.000,00 (cem mil reais) para desenvolver um projeto, mas o certo é que Paulo Barros abalou as estruturas dos desfiles das escolas de samba cariocas desde que assumiu sua carreira solo, despontando como um dos grandes artistas na área, especialmente com os desfiles que concretizou na Unidos da Tijuca.

Paulo Roberto Barros Braga, conhecido no mundo do samba simplesmente por Paulo Barros, nasceu no ano de 1962, sendo nilopolitano de origem. Hoje conta em seu currículo com quatro campeonatos na primeira divisão das escolas de samba do Rio de Janeiro. hoje é morador de Ipanema.

Desde sua adolescência frequentava o barracão da Beija Flor de Nilópolis, chegando a ser auxiliar de Joãosinho Trinta no desfile da azul e branco de Nilópolis de 1991.

Antes de dedicar-se inteiramente ao carnaval, Paulo Barros foi comissário de bordo da Varig por cerca de 12 anos, sendo que nos últimos três anos de voo, repartiu suas atividades entre o avião e o barracão, já atuando como profissional do carnaval.

Nos anos de 1994 e 1995 apresentou trabalhos em conjunto com Henrique Celibe na Vizinha Faladeira, na época a agremiação desfilava num ano no grupo B, tendo sido promovida para o A no ano seguinte, já que no primeiro desfile feito por Paulo Barros na agremiação, a escola alcançou um terceiro lugar.

Paulo Barros ainda retornou a Vizinha Faladeira para o carnaval de 2002, dessa vez como único carnavalesco da agremiação, quando apresentou o enredo “Nem Tudo que Reluz é Ouro”, quando conquistou a quinta colocação no grupo B.

No carnaval de 2018 Paulo Barros virou enredo da Vizinha Faladeira, nesse carnaval desfilando pelo grupo B. Esse enredo teve o título de “O marquês numa viagem pioneira, vê nascer um rei na Vizinha Faladeira!… Paulo Barros, o DNA do Carnaval”, desenvolvido pelo carnavalesco Jean Rodrigues, que acabou com a quarta colocação daquele ano.

…Inesquecíveis carnavais na história
um novo olhar no destino da folia
o dom divino guia sua trajetória
na arquibancada o povo vibra de alegria
e lá vou eu pra revelar os segredos dessa vida
a nossa escola dá um show na avenida
vou mostrar meu DNA de bamba
Paulo Barros outra vez a desfilar
quando passar a pioneira do samba…

(trecho do samba da Vizinha Faladeira)

No Arranco, Paulo Barros esteve a frente do carnaval da escola de 1999 à 2001, sendo que suas melhores colocações foram dois quarto lugares no grupo B.

Oportunamente Paulo Barros transferiu-se para a Paraíso do Tuiuti em 2003, na época no grupo A, onde apresentou o enredo “Tuiuti desfila o Brasil nas telas de Portinari”, tendo alcançado o quarto lugar.

Seu primeiro desfile entre as grandes agremiações do grupo especial do Rio de Janeiro se deu no ano de 2004, então pela Unidos da Tijuca, onde permaneceu até 2006, sem contudo alcançar ainda um título de campeão, já que classificou-se como vice campeão nos dois primeiros anos e em 2006 ficou com um sexto lugar.

No carnaval de 2004 Paulo Barros foi premiado com o Estandarte de Ouro, promovido pelo jornal O Globo, na categoria de revelação.

 

Já no primeiro desfile de Paulo Barros pela Unidos da Tijuca destacou-se por suas alegorias “vivas”, sendo o carro do DNA uma das imagens mais lembradas da Marquês de Sapucaí dos últimos tempos. Já nesse primeiro desfile a frente da escola do Boréu, Paulo Barros misturou tecnologia, criatividade e a utilização de materiais alternativos para ajustar uma exibição extraordinária e memorável com o tema de enredo intitulado “O sonho da criação e a criação do sonho. A arte da ciência no tempo do impossível”, que descreveu a história dos descobrimentos científicos e tecnológicos.

No desfile de 2005 a Tijuca de Paulo Barros de novo não decepcionou, fazendo um grande desfile com o enredo “Entrou por um lado, saiu pelo outro… Quem quiser que invente outro”, com alegorias que de novo deram um show de coreografias, com muitos integrantes sobre estes.

Para 2006 o desfile da Tijuca veio mais uma vez com um enredo abstrato denominado de “Ouvindo tudo o que vejo, vou vendo tudo o que ouço”, a escola conquistou o Estandarte de Ouro, do jornal O Globo, de melhor escola, mas como já foi referido, amargou um sexto lugar apenas.

Neste mesmo carnaval de 2006, Paulo Barros teve participação como carnavalesco, juntamente com Sandro Carvalho e Edgley Cunha na Estácio de Sá, na época desfilando pelo grupo A, levando a agremiação à primeira colocação com o enredo “Quem é Você?”.

Na Unidos do Viradouro Paulo Barros esteve inicialmente nos carnavais de 2007 e 2008, apresentando a bateria da escola sobre um carro alegórico e no ano seguinte causando polêmica com o carro referente ao Holocausto, proibido pela Justiça na época.

Nos carnavais de 2009 a 2011 com parcerias diversas esteve na Renascer de Jacarepaguá, sendo que no último ano, com o enredo “Águas de Março” alcançou o campeonato do grupo A com a escola, promovendo-a ao desfile entre as grandes escolas do carnaval carioca.

No desfile das grandes escolas do Rio de Janeiro de 2009, Paulo Barros, passou pela primeira vez pela Unidos de Vila Isabel e em parceria com Alex de Souza planejaram o enredo “Neste palco da folia, é minha Vila que anuncia: Theatro Municipal – A Centenária Maravilha”, com o qual a escola classificou-se em quarto lugar.

De volta a Unidos da Tijuca em 2010, Paulo Barros esteve a frente da escola até 2014, tendo sido campeão nos anos de 2010, 2012 e 2014 com os enredos “É Segredo!”, “O dia em que toda a realeza desembarcou na Avenida para coroar o rei Luiz do Sertão” e “Acelera, Tijuca”.

No carnaval carioca de 2015 Paulo Barros teve uma passagem pela Mocidade Independente de Padre Miguel e com o enredo “Se o mundo fosse acabar, me diz o que você faria se só lhe restasse um dia?” alcançou apenas uma melancólica sétima colocação, mesmo que a escola tenha feito um desfile cheio de efeitos e bastante luxuoso, mas houveram prejuízos na apresentação como um todo em função da chuva que caía na Marquês de Sapucaí.

Os carnavais de 2016 e 2017 da Portela foram criados por Paulo Barros, com a apresentação dos enredos “No voo da Águia, uma viagem sem fim…” e “Quem nunca sentiu o corpo arrepiar ao ver esse Rio passar…” respectivamente, tendo alcançado o campeonato em 2017. Nesse desfile de 2017 da Portela, o carro do Egito, que seria o de maior impacto, teve a presença de seres humanos vetada pelo Corpo de Bombeiros e trocada por bonecos, o que extraiu bastante do resultado ambicionado.

Para o carnaval de 2018, Paulo Barros retornou a Unidos de Vila Isabel, dessa vez em parceria com Paulo Menezes, tendo apresentado o enredo “Corra que o futuro vem aí”, ficando somente com a nona colocação daquele ano.

Depois de ter obtido o campeonato na série A em 2018 e retornado ao grupo das grandes do carnaval do Rio de Janeiro, a Unidos do Viradouro contratou Paulo Barros para seu desfile de 2019, tendo este levado à escola ao vice-campeonato do grupo especial com o enredo “Viraviradouro”, tendo sido um desfile mais cenográfico e com fantasias bem desenhadas.

Para 2020 Paulo Barros divide-se entre o Rio de Janeiro, retornando para a Unidos da Tijuca, depois de ser dispensado pela Unidos do Viradouro, que queria exclusividade do profissional, onde divide o posto de carnavalesco com Marcus Paulo e Hélcio Paim e em São Paulo, juntamente com Paulo Menezes vai ser o responsável pelo desfile da Gaviões da Fiel na comemoração pelos seus 50 anos de fundação da torcida.

Além do carnaval, no ano de 2018, Paulo Barros participou da Comissão de Artes do Boi Bumbá Caprichoso para o 53° Festival Folclórico de Parintins, ocupando também o cargo de diretor de efeitos do Bumbá.

Por Sidnei Louro Jorge Júnior

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui