PAPO N1 – COM JORGE SILVEIRA

0
45

PAPO N°1, uma boa conversa com dirigentes artistas e personalidades. Opiniões, fatos, curiosidades e bastidores, CARNAVAL NÚMERO 1 inicia sua nova série com
Jorge Luiz Silveira, carnavalesco, niteroiense, aos 38 anos já assinou 6 carnavais, para agremiações de São Paulo/SP e Rio de Janeiro/RJ: Dragões da Real, Viradouro e São Clemente.

Carnaval Número 1: Jorge, O Samba Sambou foi uma reedição do mais conhecido samba da São Clemente e melhor resultado da história da escola. Apesar de levantar a avenida de ponta a ponta, na sua opinião por que o 12° lugar?
Jorge Silveira: Ao avaliar as justificativas eu sou obrigado a pensar que a bandeira pesa. Procuramos fazer um trabalho extremamente leve e divertido, tanto para o componente como para o público. A escola cantou como nunca ! Tivemos a mais positiva resposta do público até então.

Carnaval Número 1: Lendo as justificativas de 2019, qual será a mudança para atender as expectativas dos julgadores em 2020?
Jorge Silveira: Todo ano todo carnaval é naturalmente avaliado por cada escola. Nós já fizemos essa avaliação interna. O que está escrito mas justificativas nem sempre correspondente a verdade absoluta. A expectativa principal é fazer a escola Cada vez mais feliz com o trabalho e manter a comunicação clara com o público

Carnaval Número 1: Te incomodou ter o enredo vazado e anunciado um semelhante um dia antes de você anunciar oficialmente pelo Vigário Geral que estreia na Série A?
Jorge Silveira: O Ancelmo Gois anunciou nosso enredo em sua coluna no jornal O Globo dias antes da outra escola.
Meu foco é a São Clemente. O carnaval é rico de possibilidades por natureza. São artistas diferentes , sinopses diferentes , sambas diferentes, grupos diferentes e orçamentos diferentes. Não tem a remota possibilidade de ser a mesma coisa . Já tivemos casos no passado em que o mesmo tema foi apresentado por escolas diferentes.

Carnaval Número 1: Contos do Vigário seguirá a tendência de enredo politizado como fez Mangueira em 2019, Beija-Flor e Tuiuti em 2018?
Jorge Silveira: O conto do vigário seguirá a tendência da São Clemente, irreverente . A escola da zona sul consolidou sua marca crítica e irreverente ainda nos anos 80. Fazer o povo rir dos problemas é a marca da escola . Em 2019 nós resgatamos essa linguagem. 2020 seguiremos fazendo sátira vem humorada ao melhor estilo da tradição gaiata da São Clemente.

Carnaval Número 1: Como profissional do carnaval, qual sua sugestão para o futuro do evento?
Jorge Silveira: É essencial que a as escolas de samba busquem novas formas de financiamento. Não podemos ficar a mercê da boa vontade da corrente política do momento . O carnaval é um gigantesco criador de emprego e renda para a cidade. Ele deveria ser enxergado pelo poder público como parte estruturante da cultura e da economia da nossa comunidade. Para não ficar refém do poder ver público, as escolas precisam trilhar o caminho da busca de outras fontes de renda para manter o rito dos desfiles.

Por Jorge Lucas.
Fotos: Acervo pessoal Jorge Silveira

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui