MS – “Adiar sim, não podemos cancelar o que é uma tradição”, diz o presidente da Liga de Campo Grande/MS

0
274
Alan Coelho Catharinelli - Foto Divulgação

Alan Coelho Catharinelli, presidente da Liga das Entidades Carnavalescas de Campo Grande (Lienca) explicou, de forma exclusiva para o repórter do CN1 Jefferson Vasquez, o posicionamento da entidade quanto a decisão de não adiar os desfiles das escolas de samba da Capital Sul Mato-grossense.

Empossado em 14 de julho, Alan defende a realização da festa em 2021. Caso aumente o número de infectados, haverá posibilidade de adiamento.

“Se aqui em Campo Grande aumentar a incidência da pandemia, é óbvio que nós não realizaremos o carnaval na data tradicional. Não vamos fazer isso pois agora é preciso esperar mais um pouco. Em Setembro tentaremos juntamente com os órgãos competentes, a prefeitura, estado e, assim rever nova data. Não vamos cancelar o nosso carnaval e sim adiar. Podemos estudar um novo calendário, mas para isso precisamos saber como vai estar a evolução da Covid. O nosso interesse é sim fazer o carnaval, fazer o desfile das escolas de samba. Ninguém será negligente, a liga e as escolas não serão negligentes. Mas cancelar, nós não não vamos cancelar“, disse o novo gestor.

Sobre o planejamento das agremiações, Allan foi enfático em dizer que já existe trabalho sendo feito em relação ao próximo carnaval.

As escolas estão trabalhando internamente com suas portas fechadas, respeitando todas as normas de segurança, de prevenção e também respeitando os decretos, tanto municipal quanto estadual. Elas (as escola) estão trabalhando seus enredos, pensando nos sambas, confecção de fantasias, se planejando. Não estamos fazendo eventos e ensaios, mas trabalhando internamente. A liga também está trabalhando em busca das parcerias para o termo de fomento“, esclareceu.

Allan Catharinelli (De branco) junto a Corte Momesca de Campo Grande/MS e o gestor anterior, Eduardo de Souza.

Tradição na Capital do Mato Grosso do Sul, em 2020 o Carnaval de Campo Grande foi viabilizado por recursos estaduais. A festa contou com a presença de 300 mil foliões nos quatro dias de festa no Morena Folia, na Avenida Fernando Corrêa da Costa, desfile dos Blocos na Explanada da Ferrovia, e o Desfile da Escolas de Samba, realizado próximo à Praça do Papa. Segundo dados do Instituto de Pesquisa da Fecomércio-MS, em 2018 o carnaval incrementou R$ 48 milhões a economia da “Cidade Morena“.

O carnaval de Campo Grande é uma tradição, ocorre desde a década de sessenta Isso incluindo o carnaval de rua e os desfiles das Escolas de Samba. Precisamos manter esta tradição. Obviamente, deixado muito bem claro que para 2021 não seremos negligentes“, finalizou Alan Catharinelli.

Por Jefferson Vasquez

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui