JURADOS LIESA RJ – Débora Levy

0
622

Déborah Levy – julgadora do Quesito Harmonia.

Nascida e moradora do Rio de Janeiro/RJ, crítica ativa do Governo Bolsonaro e defensora dos ex-presidentes petistas, é formada em Música pela UNIRIO. Possui MBA em Gestão Cultural pela Universidade Cândido Mendes-RJ e Mestrado em Musicologia pela UNIRIO.

Profissional atuante na área de artes, com especialização em música, ênfase em piano, teclado, arranjo e composição musical. Atua profissionalmente na área de música popular desde 1989.

“O Brazilian Jazz na década de 1980 no eixo Rio-São Paulo” e “O Brazilian Jazz no Rio de Janeiro na década de 80 – A mudança de direção de um mercado em ascensão” foram os trabalhos acadêmicos assinados por Déborah.

A carioca estreou como julgadora da LIESA em 2017. E nos 3 anos nessa função, avaliou as escolas de samba do Módulo 1, localizado entre os setores 3 e 5.

Dos 39 desfiles que julgou, concedeu 21 notas máximas. Salgueiro, Beija-Flor, Mangueira e Unidos da Tijuca, são as 4 agremiações que sempre receberam notas 10 de Déborah.

Para as escolas que abrem os desfiles, a julgadora apontou as menores notas: 9,7 para Tuiuti e 9,8 para Ilha em 2017; No ano seguinte 9,8 para Império Serrano, que recebeu 9,7 em 2019 e 9,8 para São Clemente no mesmo carnaval.

Império Serrano, São Clemente e União da Ilha, nunca receberam notas máximas de Déborah. Mas é a Vila Isabel que costuma receber da julgadora as menores notas no Quesito Harmonia, 9,9 em 2019 e 18.

No seu primeiro ano, 2017, concedeu as menores notas entre todos os julgadores de Harmonia para Tuiuti (9,7), Ilha (9,8), Imperatriz (9,9) e Mocidade (9,9). Para Déborah, o Tuiuti não cantou, passou sem empolgação e o samba estava incompreensível. Na Ilha, Ito Melodia estava desafinado e os componentes cantaram apenas o refrão. Neste ano, escreveu nas justificativas que “apesar do incêndio a Tijuca passou bem no Quesito” e não penalizou a escola do Borel que sofreu um acidente no segundo carro, com 12 feridos.

Em 2019, concedeu as menores notas de Harmonia para 5 escolas: Império Serrano (9,7), Grande Rio (9,8), São Clemente (9,8), Mocidade (9,9) e um único 9,9 para Vila Isabel, que recebeu 10 dos outros 3 julgadores.

As agremiações que foram julgadas nesses 3 anos por Déborah e foram mais penalizadas são: São Clemente e União da Ilha. Para a escola de Botafogo costuma justificar “acelerada e canto incompreensível” em 2017 (9,9), “desafinada e sem empolgação” em 2018 (9,8) e “voz feminina menor que os cantores masculinos, além de desafinada” em 2019 (9,8). Para Ilha, “Cantores desafinados e componentes cantaram apenas o refrão” em 2017 (9,8), “canto e bateria sem entrosamento” em 2018 (9,8) e “coro baixo (cantores de apoio)” em 2019 (9,9).

É de Déborah as justificativas: “buracos sem canto” para Imperatriz 2019 (9,8), “samba incompreensível” para Portela e Império Serrano em 2018 (9,9 e 9,8 respectivamente), “Wander Pires cantou mais empolgado o refrão que o restante do samba” na Mocidade de 2017 (9,9) e “voz do intérprete mais alta que dos cantores de apoio” na Imperatriz do mesmo ano (9,9).

Por Thiago Cânepa Amorim

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui