Em 11 de Maio de 1902 nascia a “Bela menina, voz de cristal” Bidu Sayão

0
250

Nascida em 11 de maio de 1902, no Rio de Janeiro, Balduína de Oliveira Sayão, a Bidu Sayão, foi uma das mais célebres cantoras líricas do século 20. Nascida na praça Tiradentes no começo do século, de pai português e mãe franco-suíça, a cantora apelidada de Rouxinol do Brasil se tornou uma das maiores estrelas da ópera em todos os tempos.

Era bisneta da imigrante Marianne Joseph, colona suíça que veio para Nova Friburgo no princípio do século 19. A sua formação se inicia com aulas de solfejo e impostação de voz. Aos 17 anos fez a sua estreia em Roma, com a ópera “O Barbeiro de Sevilha”, estando Mussolini presente nessa apresentação.

A carreira de Bidu Sayão foi completamente tecida no exterior e notadamente nos Estados Unidos. Ao legar as luxuosíssimas indumentárias usadas por ela nas óperas foi para esse país que entregou todo o seu acervo pessoal. Declarou que o Teatro Municipal do Rio de Janeiro não tinha estrutura para manutenção do seu acervo e as roupas se perderiam ou ficariam danificadas. Entre as décadas de 20 e 30, do século 20, se apresentou no Ópera em Paris, Milão, Roma, Buenos Aires e Nova York.

Favorita de Heitor Villa Lobos, estabeleceu uma parceria artística onde Bidu atuou, entre outras obras, “Floresta do Amazonas”, e em 1955, numa noite inesquecível no Hollywood Bowl, as Bachianas. Os críticos chamavam-na de “O rouxinol do Brasil”. A leveza e a pureza do timbre de sua voz faziam dela a intérprete ideal para papéis nas óperas de Rossini, Verdi e Puccini. Dizia-se que possuía um timbre de opalescência leitosa, clareza de dicção e a sua interpretação possuía estilo, requinte, doçura e feminilidade fascinante.

De família de classe alta, aliada a dois casamentos com homens ricos, Bidu Sayão cultivava hábitos caros como joias e casacos de pele da alta costura. Passava a maior parte do tempo em seu luxuoso apartamento na Broadway. No verão, ficava em sua residência em Lincolnville, no Maine, na fronteira entre os Estados Unidos e o Canadá onde tinha nessa propriedade uma praia particular e jardins esplêndidos.

Para se ter uma ideia da importância dessa cantora lírica há um quadro a óleo de Bidu Sayão no Metropolitan Ópera House, em Nova York, na galeria dos grandes nomes de cantores de ópera. Integrou o casting do Metropolitan no período de 1937 a 1952. Aos 55 anos, Bidu Sayão encerra a sua carreira, retirando-se dos palcos em pleno auge. Quando deixou de cantar declarou que finalmente conseguira a sua alforria para poder fumar e tomar os seus coquetéis.

O Metropolitan Ópera House fez-lhe uma homenagem comemorando os 50 anos de sua estreia naquele teatro. Sua última vinda ao Brasil foi em 1995, para desfilar na escola de samba Beija-Flor que igualmente lhe prestou uma homenagem com o enredo “Bidu Sayão e o canto de cristal”. Desfilou na avenida aos 93 anos de idade. Ela veio no último carro alegórico, O Cisne Negro, sentada num trono cuidadosamente preparado para ela.

A maior figura do canto lírico brasileiro em todos os tempos, Bidu Sayão morreu em 12 de março de 1999, aos 96 anos, das complicações de uma pneumonia, no Penn Bay Medical Center da cidade de Lincolnsville, Maine, EUA, onde ela morava. Internada por 34 dias, sofrendo também de complicações renais, Bidu deixou instruções para que seu corpo fosse cremado e as cinzas espalhadas pelas águas da baía em frente à sua casa, durante a primavera americana. Por Waldir Tavares

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui