DESTAQUE DE LUXO – O VERSÁTIL SILVINHO FERNANDES

7
1101

 

O personagem dessa nossa coluna já desfilou em várias escolas de samba do Rio de Janeiro na posição de destaque, sempre desfilando como destaque de luxo, com fantasias muito ricas em detalhes, materiais nobres usados na sua confecção e muita criatividade em sua concepção, para encantar aqueles que assistem aos desfiles na Marquês de Sapucaí.

Silvio Alberto Fernandes  Lima, no meio carnavalesco conhecido como Silvinho Fernandes, é paraense por nascimento, natural de Belém, mas com apenas nove meses de vida veio morar no Rio de Janeiro, onde até os doze anos de idade foi criado por uma tia materna, em função de sua mãe trabalhar fora, já que era empresária. A criação de Silvinho se deu no subúrbio carioca de Bonsucesso, tendo ele mais dois irmãos.

A infância de Silvinho Fernandes

Mesmo que se reconheça como um grande interessado em artes, Silvinho formou-se em Geografia, mas reconhece sua predileção pelos campos da literatura, música, cinema e teatro principalmente.

Sua admiração pelo carnaval teve início através das revistas Manchete e Fatos e Fotos, publicações estas adquiridas pela mãe e que encantavam o menino desde muito cedo, pelo colorido da festa, o show de ritmo e principalmente o luxo dos destaques que desfilavam no alto das alegorias das escolas de samba, todos com muito luxo, brilho e glamour. Nosso personagem também não perdia a transmissão dos desfiles carnavalescos na televisão, ficando cada vez mais encantado com aquele show maravilhoso, a cada ano reinventado pelas grandes agremiações carnavalescas do Rio.

Silvinho Fernandes na Revista Manchete em 1995

No carnaval carioca de 1974 é que aconteceu a primeira oportunidade do nosso personagem assistir ao vivo o desfile das escolas de samba, na época realizados na Avenida Presidente Antônio Carlos por conta da desativação da pista da Candelária por causa das obras do metrô.

Nesse primeiro contato direto com o desfile das agremiações cariocas, de imediato mãe e filho encantaram-se com o desfile da Portela, que naquele ano apresentou o enredo “O Mundo Melhor de Pixinguinha”, tendo com este desfile conquistado o vice campeonato.

Silvinho na Portela com Clara Nunes e Elizeth Cardoso

Assistir presencialmente a este desfile, foi o ponto de partida para Silvinho querer desfilar na Portela, mas para que isso pudesse se concretizar a meta a ser batida, era Silvinho estudar para passar de ano na escola e assim aconteceu. Dos seus 15 aos  23 anos Silvinho desfilou em alas da Portela, alas Jovem Flu e Botafoguense foram as principais.

Naquele tempo o desfile das grandes escolas de samba do Rio acontecia num único dia e Silvinho chegou a desfilar em várias agremiações como componente de ala.

Silvinho em termos de desfile em escolas de samba somente desfilou na cidade do Rio de Janeiro, seja como como componente de ala ou como destaque de alegoria, isso em várias agremiações.

Num determinado carnaval, desfilando numa ala da Imperatriz Leopoldinense, Silvinho veio a conhecer Valquíria Miranda, que na época ainda era semi destaque e foi ela quem o encorajou a pensar em desfilar como destaque. Foi Valquíria quem apresentou Silvinho para Luiz Fernandes e Ricardo Aquino, que tinham um ateliê em Niterói e a partir daí a negociação deu certo e o ateliê tomou conta de confeccionar a primeira fantasia de destaque vestida por Silvinho,  que foi um figurino do carnavalesco Alexandre Louzada para o desfile da Portela de 1986, onde nosso personagem veio representando a figura de um faraó.

Nenhuma descrição de foto disponível.
Silvinho Fernandes – Carnaval de 1986- fantasia “Portal Sagrado do Egito” – Portela

A partir daí Silvinho desfilou por oito anos na Majestade do Samba, a maior vencedora do carnaval carioca, hoje com 22 títulos em sua galeria de troféus.

Silvinho Fernandes – Carnaval de 1991- Portela

Quando perguntado sobre desfiles inesquecíveis na Marquês de Sapucaí, Silvinho destaca  o carnaval da Portela de 1987, dentre outros, quando a escola apresentou o enredo “Adelaide, a pomba da paz” do carnavalesco Geraldo Cavalcanti, quando a escola conquistou a terceira colocação.

Deixando de desfilar na Portela, Silvinho transferiu-se para ser destaque na União da Ilha do Governador, transferindo-se depois para Unidos de Vila Isabel, Unidos da Tijuca, Unidos do Viradouro, Imperatriz Leopoldinense e seus últimos cinco anos de desfile aconteceram na escola de samba São Clemente, tendo realizado seu último desfile no carnaval clementiano de 2016.

Silvinho Fernandes – ” Fantástica Harpia dos Andes” – Carnaval de 1992

Foi a partir do ano de 1993 que Silvinho passou a tarefa de confeccionar suas próprias fantasias, visto considerar-se um auto ditada, iniciando pelo processo de desmanchar as suas fantasias de carnavais anteriores, para daí verificar como tinham sido confeccionadas e montadas e a partir daí contando com o serviço de uma costureira, um ferreiro e um sapateiro passou ao processo de confecção das próprias fantasias.

Pode ser uma imagem de 1 pessoa
Silvinho Fernandes – “Eterno Diamante Grão Mongol, um Oceano de Luz Fantástica” – Carnaval de 1993

Já confeccionando suas próprias fantasias, não tardou muito para que o talento demonstrado por Silvinho chamasse a atenção de outros desfilantes, tendo ele passado a confeccionar as fantasias apresentadas por uma infinidade de outros destaques de diversas agremiações, tendo Silvinho mantido este ateliê por cerca de dez anos.

Desfilando pela União da Ilha do Governador, Silvinho destaca  o desfile de 1994, ocasião na qual a escola a presentou o enredo “Abrakadabra, O despertar dos mágicos” do carnavalesco Chico Spinoza, quando a escola alcançou a quarta colocação.

Silvinho Fernandes – “Um Mandarim no Jardim das Serpentes” – Carnaval de 1998

Fora do período carnavalesco, Silvinho era presença marcante nos shows realizados com foco nos muitos turistas que procuravam as belezas e encantos da Cidade Maravilhosa. Com o tempo nosso personagem viajou com vários shows, promovidos por diversos produtores por quase todo o Brasil e também para o exterior, tendo realizado apresentações em Aruba no Caribe, Hong Kong na China, Londres, capital da Inglaterra, África do Sul, na cidade Joanesburgo e em Maputo, no Moçambique, além de Portugal e Espanha. Segundo Silvinho, sua mais longa turnê aconteceu em Aruba.

Pode ser uma imagem de 4 pessoas
Silvinho Fernandes em Maputo, Moçambique no ano de 1995 – Hotel Polana
Silvinho e Poly Gomes em premiação no ano de 2019

Dentre as muitas personalidades do meio carnavalesco com as quais interagiu nesses muitos anos de desfiles e shows nacionais e internacionais, Silvinho destaca as figuras de Valquíria Miranda, a qual considera como uma espécie de madrinha, já que foi por intermédio dela que iniciou a desfilar como destaque e Poly Gomes, empresária do ramo de shows, que em muitas oportunidades chamou Silvinho para abrilhantar suas produções.

Nos anos de 1988 e 1989 Silvinho foi contratado pelo Oba Oba Samba Rio Show, também na capital fluminense, para fazer parte do elenco da casa para shows com foco nos turistas. Nesses dois anos nosso personagem trabalhou ao lado de outros dois ícones do carnaval carioca Wilsa Carla, figura marcante nos desfiles de fantasia e Laerte Raphael, que por muitos anos desfilou como primeiro destaque da Estação Primeira de Mangueira, notabilizando-se pelos grandes resplendores de suas fantasias.

Pode ser uma imagem de 1 pessoa
Silvinho Fernandes e Wilsa Carla no Oba Oba Samba Rio Show

A convite da jornalista e atriz Jalusa Barcellos, Silvinho assumiu a responsabilidade de criar um curso na Escola das Artes Técnicas, que era uma unidade da FAETEC, curso este com foco em fantasias de carnaval e adereços, curso este que proporcionou formação para muitos profissionais que hoje trabalham em muitos barracões de diversas escolas de samba desde o ano de 2006. Silvinho permaneceu como professor nessa escola até o ano de 2014, experiência esta que muito contribui também para sua vida profissional.

Pode ser uma imagem de 2 pessoas
Silvinho Fernandes na Escola das Artes Técnicas – Ano de 2006

Em sua estadia em Maputo, Moçambique, Silvinho chegou a comandar um workshop sobre carnaval do Rio de Janeiro, tendo também por um período realizado palestras sobre este tema em outras oportunidades.

Pode ser uma imagem de 1 pessoa
Silvinho Fernandes – “Francisco Pizarro na Cidade dos Reis” – Primeiro Lugar no Baile do Hotel Hilton em Belém do Pará – Carnaval de 1988

No tocante aos grandes concursos de fantasias de luxo, Silvinho teve participação destacada em muitos concursos realizados pelo Brasil, não só no Rio de Janeiro, sempre concorrendo na categoria de luxo masculino, tendo colecionado muitos primeiros lugares em diversos certames.

No geral, nos concursos de fantasias em que concorreu, Silvinho sempre ficou classificado no mínimo entre os cinco melhores pontuados pelo corpo de jurados, tendo obtido o primeiro lugar  em mais de dez oportunidades, com especial atenção para o carnaval de 1987, onde concorreu com a fantasia “Ivan Ivanovich, Príncipe das Rússias”.

Nenhuma descrição de foto disponível.
Silvinho Fernandes – “Ivan Ivanovich, Príncipe das Rússias” – Carnaval de 1987

Silvinho destacou-se pelas fantasias de menores proporções, mas sempre muito luxuosas e bem confeccionadas, que lhe possibilitavam desfilar com leveza na apresentação da roupa, além da apresentação sempre preocupada em realmente interpretar o personagem que estava sendo retratado com aquele figurino.

Seu grande inspirador foi o hour concour Clóvis Bornay, com quem chegou a trabalhar e ter um convívio bem próximo, sempre com o intuito de seguir aqueles conselhos que recebia desse grande mestre em termos de fantasias de luxo e carnaval.

Silvinho também destaca a grande figura de Jésus Henrique, que por muitos anos embelezou os desfiles da Beija Flor de Nilópolis no alto de suas alegorias, com as fantasias por ele criadas e confeccionadas, não só para ele, mas também para outros vários desfilantes, assim como acontecia nos concursos de fantasias.

Pode ser uma imagem de 1 pessoa
Silvinho Fernandes – “Tributo a Carlos Cachaça” – Carnaval de 2002

Lógico que nesse mundo de vaidades dos concursos de fantasias, nos bastidores e também fora deles, era grande a rivalidade entre os concorrentes, pois bastava o fato de alguém conquistar uma posição melhor do que outro, para que logo aquele que ficou atrás na classificação dos jurados, ficasse como que “inimigo” do concorrente melhor classificado, relata Silvinho, situação esta que lhe fez ficar com melhores relações dentre as desfilantes de outras categorias com destaque para Vera Benévolo, Martine, Isabela Dantas e Jussara Calmon que concorriam no luxo feminino.

Diversas fantasias de Silvinho Fernandes acabaram sendo vestidas em diversos eventos carnavalescos por outras pessoas, isso tanto em concursos, quanto em eventos beneficentes ao longo dos anos.

Silvinho Fernandes e Jussara Calmon

Nos diversos concursos de fantasias, sempre na categoria de luxo masculino, Silvinho além de desfilar com fantasias suas, também chegou a desfilar como modelo para fantasias de outros desfilantes na época.

Silvinho Fernandes – “Cavaleiro Medieval” -desfilando como modelo de Marcus Varella – Carnaval de 1998

Ainda sobre a época dos grandes concursos de fantasias, Silvinho afirma que eram estes eventos que realmente promoviam os desfilantes e seus ateliês, onde aconteciam as criações e confecções de inúmeras fantasias, tanto de luxo como de originalidade, já que esses certames eram transmitidos ao vivo pela Rede Manchete, como acontecia por exemplo no Hotel Glória. Destaque para o fato da Rede Manchete em época de carnaval focar na sua programação os principais eventos carnavalescos do Rio, com especial atenção para os concursos de fantasias e a transmissão do desfile das escolas de samba ao vivo, direto da passarela da Marquês de Sapucaí, tanto grupo de acesso, quando grupo especial.

Nos últimos anos Silvinho tem se dedicado a aprimorar seu trabalho como diretor de espetáculo, transformista, quando encarna a personagem Sissy Diamond, além de ser sócio diretor da Turma OK, casa de espetáculo no Rio voltada para o púbico LGBT.

Silvinho afirma que com o passar dos anos um certo desânimo o fez deixar de desfilar como destaque, principalmente depois que deixaram de ser realizados os grandes concursos de fantasias, já que ele próprio afirma que o seu foco e interesse realmente era na disputa pelos primeiros lugares nos grandes certames, estando atualmente o foco somente no desfile da Marquês de Sapucaí, o que fez com que deixasse de desfilar, mas coisa que um bom convite com uma boa justificativa não o faça repensar e voltar a brilhar no sambódromo carioca.

Silvinho Fernandes – “Tropicália” – Carnaval de 2001

Ainda na opinião de Silvinho a visão comercial que hoje o desfile das escolas de samba adquiriu, terminou com um pouco do brilho da festa, acreditando este que com essa nova visão o segmento dos destaques foi deixado num segundo plano, sendo valorizados outros diferentes aspectos que envolvem o carnaval, mas que segundo a opinião da nossa personalidade  deixou um pouco a tradição e o glamour de lado, para que a parte financeira acabasse ditando algumas situações que de fato não engrandecem em nada a festa como um todo.

Silvinho na Unidos de Vila Isabel – Desfile de 2014

Variados foram os motivos para que Silvinho não acabasse desfilando apenas por uma agremiação carnavalesca carioca, como acontece com alguns destaques até hoje. O próprio Silvinho declara de vários pontos acabam sendo avaliados  por um destaque para fazer parte deste ou daquele desfile, como por exemplo a melhor posição numa alegoria, a qualidade da própria alegoria, o projeto que vai ser desenvolvido, dentre outros aspectos, situações estas que justificam mudanças de escola de samba. Quando lhe interessou ele mesmo correu atrás de carnavalesco para poder fazer parte daquele projeto de enredo que estava sendo desenvolvido, como ocorreu no desfile da Unidos de Vila Isabel no carnaval de 2009 apresentou o enredo Neste palco da folia, minha Vila anuncia: Theatro Municipal, a centenária maravilha” dos carnavalescos Alex de Souza e Paulo Barros.

Silvinho Fernandes da Portela – Desfile de 1989

Silvinho confessa que seu coração pertence a Majestade do Samba, até por ter sido a primeira agremiação onde desfilou, tanto em ala quanto como destaque de alegoria, mas destaca os ótimos desfiles e oportunidades, inclusive de trabalho, que obteve junto a Imperatriz Leopoldinense, onde pela própria organização da agremiação nunca Silvinho teve qualquer espécie de contratempo nos diversos carnavais que desfilou pela Rainha de Ramos, afirmando que se vier a voltar a desfilar um dia, a Imperatriz seria sua primeira opção, por tudo de positivo que sempre viveu na escola.

Quando perguntado sobre seu grande desfile na Imperatriz Leopoldinense, Silvinho destaca a sua participação no carnaval da escola de 2001, quando a professora Rosa Magalhães desenvolveu o enredo “Cana-caiana, cana roxa, cana fita, cana preta, amarela, Pernambuco… Quero vê descê o suco na pancada do ganzá”, desfile este que deu à Rainha de Ramos sua oitava estrela, como campeã do carnaval daquele ano.

Dos momentos que marcaram para sempre a história dos desfiles realizados na Marquês de Sapucaí, Silvinho participou de forma direta daquele desfile que tinha tudo para ser um desfile campeão, mas quis o destino que o fogo acabasse atrapalhando a conclusão daquela grande obra apresentada pela Unidos do Viradouro, através do enredo “E a magia da sorte chegou” no carnaval de 1992, enredo este do carnavalesco Max Lopes.

Silvinho Fernandes – Desfile da Unidos do Viradouro – Carnaval de 1992

Silvinho conta que faltavam uns quinze dias para o carnaval, quando recebeu o convite do carnavalesco Max Lopes para desfilar na Viradouro, confessa que hesitou um pouco para aceitar o convite, visto o posto de destaque que ocupava na Portela, mas ao visitar o barracão da Viradouro e lhe ser mostrada alegoria, inclusive com iluminação já funcionando e por conta de ter uma roupa que possibilitaria ser adaptada e integrar sem problemas o tema da alegoria, acabou aceitando o desafio de vir no ponto central e mais alto da alegoria, que no final chegaria em chamas à Praça da Apoteose, ocasionando sérios prejuízos ao julgamento da agremiação.

Por conta do incêndio na alegoria, Silvinho que vinha na sua plataforma mais alta, acabou sendo resgatado pelos bombeiros, que vieram para controlar o fogo, situação que mostrou-se impossível, até mesmo pelos materiais que faziam parte do carro, muitos destes inflamáveis. Silvinho saiu ileso desse episódio, tendo apenas perdido uma parte da fantasia que acabou ficando presa a alegoria.

Silvinho destaca o desfile pela União da Ilha do Governador no carnaval de 1995 quando  veio no abre alas da escola insulana, assim como aconteceu no carnaval de 2000 pela Unidos da Tijuca.

O carnaval de 2013 é especial nas memórias de Silvinho Fernandes, pois teria iniciado aí sua relação com o companheiro Alexandro Rico, que desde aí acompanha Silvinho como apoio de destaque nas diversas agremiações por onde desfilou desde esse ano, companheirismo de vida também que se estende até nossos dias.

Quem assiste aos desfiles do grupo de acesso carioca, também já pôde apreciar as belas fantasias e a performance de Silvinho Fernandes,  naquelas agremiações que sonham em serem promovidas a desfilar no grupo principal no carnaval seguinte, tendo ele desfilado na Alegria da Zona Sul, onde destacou-se no carro abre alas da escola no carnaval de 2018, além de ter desfilado também na Inocentes de Belford Roxo em 2016 e Unidos do Porto da Pedra no carnaval de 2018. Silvinho inclusive já brilhou com suas criações de luxo na passarela da Intendente Magalhães.

Silvinho Fernandes na São Clemente – Desfile de 2015

Desfilando pela São Clemente desde o carnaval de 2013 até 2016, quando deixou de desfilar no grupo especial das agremiações cariocas, Silvinho no primeiro ano da carnavalesca Rosa Magalhães na escola, participou do desfile em homenagem ao pai de todo os carnavalescos, Fernando Pamplona, no enredo “A incrível história do homem que só tinha medo da Matinta Perera, da Tocandira e da Onça Pé de Boi” no carnaval de 2015.

Silvinho Fernandes na São Clemente – Desfile de 2016

Silvinho Fernandes por onde passou, seja nos grandes concursos de fantasias ou nas escolas de samba por onde brilhou, deixou grandes amigos que leva para sempre consigo, esse é o caso dos amigos Paulo Robert e Nelcimar Pires, grandes destaques do carnaval carioca, que fizeram questão de deixar uma mensagem para Silvinho:

Por fim com Silvinho Fernandes fora do desfile das grandes escolas de samba do carnaval carioca desde o ano de 2016, nos resta torcer para que um convite irrecusável faça esse ícone do segmento dos destaques de luxo volte a brilhar sob os holofotes da Marquês de Sapucaí.

Por Sidnei Louro Jorge Júnior

 

7 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns pela matéria! Um lindo discurso sobre a sua trajetória carnavalesca 👏👏👏👏👏 Silvinho. Algumas coisas fiquei sabendo agora.
    Muito lindo!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui