Nascido em Morro Agudo, interior do estado de São Paulo, Marcos Teixeira desfila há três anos no carnaval do Rio de Janeiro. Aos 12 anos de idade teve seu primeiro contato com o carnaval na cidade de Orlândia. O olhar da criança se encantou com roupas diferentes do cotiano daquela cidade na região de Ribeirão Preto.

Dois anos depois, a família Teixeira se muda para Batatais, também no interior Paulista. A cidade possui maior tradição no carnaval do que a cidade onde Marcos nasceu. Aos 16 anos já estaria desfilando em ala na extinta Escola de Samba Stella.

Fui assistir com amigos na praça Matriz, e foi paixão a primeira vista. Mesmo já encantado com o que vi na minha cidade, em Batatais foi ainda maior. Conheci um carnaval de família, mais colorido e mais organizado. Quando comecei a desfilar, já no meu primeiro ano, fiz minha roupa e dos amigos. Assim eu ajudava a escola”.

No ano seguinte ainda na escola de samba Stella, Teixeira  faz sua estreia como Destaque de Chão. Ali ficaria até o fim da agremiação (extinta) em 1983. Neste período foi convidado para desfilar pela Escola de Samba Castelo de Batatais, onde permanece até hoje.

Comecei como destaque de ala e a cada ano minha fantasia foi evoluindo e crescendo. No segundo ano fui desfilando melhor, no terceiro adquirindo mais materiais“.

Em quatro anos na escola do bairro de Castelo, passou a desenhar para agremiação, vindo assumir o posto de carnavalesco em 1986. Cargo que ocupa atualmente.

A carnavalesca tinha saído para assumir outra escola. Então como precisavam de um carnavalesco, me escolheram. Não era muito conhecido como desenhista mas me deram a oportunidade. Desenhei as alas e um outro artista de Ribeirão Preto desenhou os destaques. No ano seguinte, desenhei a escola inteira”. 

Em 1987 fazendo seu primeiro carnaval solo, seria a primeira vez que ele se colocaria como Destaque em alegoria. Com onze carnavais como carnavalesco, Marcos Teixeira foi campeão nove vezes na escola de samba Castelo.

No ano de 2017 Teixeira vê a oportunidade de fazer sua estreia no maior carnaval do país. Após orientação do amigo Eduardo Leal, destaque da Estação Primeira de Mangueira, consegue o contato do carnavalesco João Vitor Araujo (Na época no Acadêmicos da Rocinha), que concede a oportunidade de Marcos para desfilar no carnaval do Rio de Janeiro. A fantasia de palhaço fazia parte do enredo “No saçarico da Marquês, tem mais um freguês: Viriato Ferreira“.

Fantasia Rei do Picadeiro. – Rocinha 2017

Sempre desfilei com o João, ele é muito fácil na conversação. Trocamos idéias sobre material e arte plumária. Ele procura desenhar em cima daquilo que tenho. Como sou carnavalesco, sempre procuro seguir o mais fiel possível do desenho. O destaque faz parte do quesito Alegoria e qualquer mudança necessária, pergunto ao João se é possível. Tenho liberdade com ele e tem dado certo“.

“Assim que recebo o figurino já começo a separar o material, sempre respeitando as cores. Hoje em dia com a internet não precisa ir as lojas. Vejo ferreiro, costureira paralelamente pois eu mesmo confecciono minhas fantasias. Sempre tem plano B por falta de algum material, mas não tenho muito este problema pois sempre encontro o que preciso”.

Destalhes da fantasia O rei do picadeiro – Rocinha 2017

No ano seguinte, com a ida de João Vitor para a Unidos de Padre Miguel, Marcos passa a desfilar na escola da zona oeste carioca. O enredo era “O Eldorado submerso: Delírio Tupi-Parintintin“. Na ocasião, o destaque vestiu a bela fantasia bicolor do Pajé de Parintins. Admirador dos grandes destaques outrora, o artista pondera sobre a importância do uso e escolha dos materiais.

Gosto muito de usar materiais da década de 80 e 90. Paetê não é mais tão usado, são poucos destaques que usam. A meu ver o paetê fica muito bonito visto da avenida e da detalhamento a roupa. Gosta da fantasia com leitura limpa. Muita informação suja o figurino. Me agrada a fantasia que qualquer pessoa que olhar saberá do que se trata. A roupa da Rocinha todo mundo que viu sabia que era um palhaço, na Unidos de Padre Miguel todos viram um Pajé, o mesmo neste ano. Gosto de carnavalizar. No uso da plumagem eu vejo que tem muitos destaques que só pensam no brilho, no maior faisão e esquecem da originalidade“.

Os amantes do carnaval são saudosistas em relação aos grandes bailes que promoviam os famosos Concursos de Fantasias. Marcos, assim como outros destaques, pensa que a falta destes eventos impedem que a fantasia possa ser mostrada além do desfile oficial das escolas.

Aqui na minha cidade por quase dez anos a escola fazia um baile, onde os Destaques se apresentavam com a fantasia do ano. Tinha musica, o apresentador explicava o que significava cada roupa. Você passava no meio das mesas para mostrar a fantasia com detalhes. Acho que no eixo Rio x São Paulo, o destaque precisa ser mais notado. Realmente teria que ter concursos, exposições. Nem penso que seria concurso para ganhar dinheiro, porque não se ganha mesmo, o que falo é para mais exposição após o carnaval

Foto Fernando Grilli

Após o hiato de um ano (2019 decide não desfilar por priorizar assuntos pessoais), Em 2020 Marcos triunfou no abre alas da Paraíso do Tuiuti com a Fantasia Papa Gregório XIII dentro do enredo “O Santo e o Rei: Encantarias de Sebastião“, também de João Vitor. A privilegiada posição é sonhada e disputada por destaques dentro de uma escola de samba, e foi um presente do amigo e carnavalesco João Vitor Araujo.

2020 foi o meu primeiro ano no Grupo Especial. Venho desfilando nos dois anos na série A do Rio, com a ida do João para a Tuiuti acabei seguindo ele. Nestes três anos de Rio, sempre fui Destaque dele e não de uma escola específica“.

A experiencia no Rio teve alguns contratempos, porém Marcos Teixeira já pensa na folia de 2021.

Já tive convites de escolas da série A. Como sou destaque do João, estou no aguardo do contato dele para esta questão. No momento estamos de quarentena e não sei como será o ano que vem. Tenho que rever algumas coisas da minha vida particular. Sair da minha cidade para o Rio de Janeiro é uma dificuldade imensa porque moro em cidade do interior com mais de 500 km de distancia. A logística é complicada e no Rio a parte mais difícil é a concentração. Tenho que sair do hotel, o táxi não chega perto de onde ficam os carros, então você tem que andar. Apesar dos gastos com a logística, estou aberto a convites“.

Marcos Teixeira teve seu primeiro ano no grupo de elite carioca, após dois carnavais na série A, e vê de forma positiva esta trajetória ascendente.

Alexandre Durão

Não seria um conselho, mas queria deixar evidente como foi comigo. Comecei a desfilar na série A, e digo para quem esta iniciando que este é o melhor caminho. Existe uma desconfiança com os novatos, sobre o compromisso de fazer e estar presente no dia do desfile. As grandes escolas precisam saber sobre você e confiar em você. Dando tudo certo, a chance de ser convidado por outros anos aumenta. Para o próximo carnaval já recebi convite de três agremiações, e sei que tem a ver com minha passagem vindo do Acesso até o Especial”.

Desenhista Profissional, Teixeira está estreando como carnavalesco do carnaval virtual da LIESV com a Escola de Samba Castelo Virtual, onde contará a história dos 20 campeonatos da Escola Mãe. A principio o desfile do carnaval virtual está programado para Agosto.

Carnavalesco do Carnaval VirtualMarcos possui apoio do companheiro de três anos, Rafael Gonçalves que inclusive é o responsável por todas suas maquiagens e esteve como apoio do Destaque em todos os em que desfilou no Rio.

Marcelo Teixeira e Rafael Gonçalves

Neste mundo cheio de desconfianças, eu só tenho que agradecer pelo meu relacionamento Hoje o Rafael é o que me deixa mais contente em relação ao companheirismo, o maior da minha vida. É questão de agradecer a Deus por ter ele ao meu lado, que mesmo não sendo do carnaval, está nele por minha causa. Sem sombra de duvidas é o amor da minha vida

Por Henrique Sathler e Waldir Tavares

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui