O hairstylist Roberto Reginaldo Ferreira de cinquenta e dois anos, é Destaque do carnaval de São Paulo. Mais conhecido como Roberto Ferrari, o artista está há quatro carnavais sem participar da folia, porém é inegável sua contribuição artística para o carnaval paulistano.

Beto Ferrari aos sete anos de idade

Sua história com o carnaval começa em 1983 através de amigos das artes cênicas. Sua irmã Gleci Débora e o cunhado Ciro Formariz eram muito amigos dos donos do Circo Teatro Carlito, e naquele ano a trupe recebeu convite para maquiar uma e conseqüentemente desfilar em ala na Sociedade Rosas de Ouro. Gleice tratou de levar Roberto para uma aventura chamada carnaval. Foi o passaporte para o primeiro embarque de Beto Ferrari na folia momesca. Este ano ficaria marcado por ser o primeiro titulo da Rosas de Ouro no Grupo Especial, enredo “Nostalgia” do carnavalesco Augusto de Oliveira e Beto desfilou vestido de palhaço.

No dia do desfile, ele (cunhado) nos levou até a quadra da escola, que era aonde fazia, a concentração antes de ir pra avenida. Chegamos lá, foram maquiar toda a ala. E a hora que eu entrei dentro da escola, vi todo mundo ali se arrumando, se ajudando. E eu pensei, nossa, isso aqui é o paraíso. Nunca mais ninguém me tira daqui

No ano seguinte, Roberto Ferrari repete a dose, e desta vez pagando a fantasia para desfilar naquela  que seria sua escola de samba por longos anos a seguir. A fantasia era ala de estudantes dentro do enredo bi campeão “A velha academia berço dos heróis” assinado por Pedrinho Pinotti.

Ferrari no inicio dos anos 2000

Com a semente plantada, o futuro Destaque de Luxo procurou participar mais da escola afim de aprender como funcionava aquela mágica. No ano de 1985, já conhecendo as pessoas na escola da Freguesia do Ó, Beto passou a desfilar na famosa ala do diretor Paulo Agante. A fantasia de índio ilustrava o enredo “Uma boa ideia” também do carnavalesco Pedrinho Pinotti.

Segundo ano na Rosas de Ouro 1984

Meses após o carnaval de 85, uma vizinha de Ferrari (D. Iara) ouviu, através do rádio, que a Rosas de Ouro estava convocando componentes para fazer uma apresentação em São João da Boa Vista/SP para a inauguração de loja para uma grande rede tecidos, roupas , eletrodomésticos, informática e similares. Dona Iara incentivou Beto a participar do evento. Junto ao seu esposo Antonio, levaram Beto Ferrari de carona até a quadra da Escola.

Catei minha fantasia de índio, enfiei na bolsa e fui embora com eles. Me deixaram na ponte da freguesia do Ó. Cheguei lá, vi um rapaz que era o Silvio. Começamos a conversar, ele me apresentou alguns destaques da escola. Fizemos a apresentação, era inauguração das casas pernambucanas e tudo deu certo naquele dia. A única pessoa que estava com roupa dourada era eu, daí me deram um estandarte com o slogan da casas pernambucana. Acabei desfilando, foi muito engraçado porque eu não levei a  sandália da fantasia de índio. Um calor de rachar, queimando meu pé, mas fiz minha parte

Rosas 1985

A nova amizade com Silvio, na época grande passista da Rosas de Ouro, rendeu novas oportunidades na escola. Morando muito próximo, Silvio passou a levar o amigo as rodas de samba na Zona Leste de São Paulo. Em 1986 Roberto Ferrari já era passista da escola Azul, Rosa e Branco. Neste ano Beto conhece Maria Ieda Gomes da Silva, diretora da ala Diamante Cor de Rosa, uma das mais importantes dentro da Sociedade Rosas de Ouro e Destaque de Ouro da Escola. A hoje famosa Drag Queen Márcia Pantera fazia parte da animada ala.

1986 Rosas de Ouro – Beto Ferrari é o segundo a esquerda

Ieda vendo potencial no sambista, convida Beto para ser Destaque de chão a frente de sua ala. Seria uma nova jornada na ainda curta trajetória de Beto Ferrari em desfiles de escola de samba. Porém o destino quis que aquele ano cheio de novidades fosse a estreia de Roberto no alto de uma alegoria.

Próximo ao carnaval, um destaque que ia no carro teve um problema na escola e se desligou. Na última hora me chamaram para substituir. Na verdade não gostei, não queria ir em cima de carro. Pensava em estar na frente da ala, dando pinta no chão. Mas tudo bem. Subi no carro e adorei. Foi meu primeiro ano no carro alegórico. Convidado pela Ieda. Ela fazia tudo, tinha um bar na Rosas de Ouro, o Rosas Bar. É uma pessoa querida, que eu tenho mantenho amizade até hoje com ela

Devido uma brincadeira de bastidores que acabou vazando e chegando aos ouvidos do carnavalesco, em 1988 Beto quase não desfila como Destaque da Rosas de Ouro.

Rosas de Ouro 1988

Fui visitar o barracão da escola. Os carros estavam quase prontos. Eu e uma outra pessoa estávamos fazendo um monte de brincadeira, quando este pessoa  falou  que um dos carros parecia uma arvore de Natal. Na verdade, o que eu fiz foi  rir. Quando eu cheguei na avenida, o carnavalesco falou que eu não iria subir no carro porque eu havia falado que o carro dele parecia uma arvore de Natal. Eu  falei que estava tudo bem e viria no chão. Gosto de desfilar e vou desfilar em qualquer lugar. Já quase na hora de chegar na avenida, na hora de a concentração, que era ali na avenida Tiradentes, o harmonia da Rosas de Ouro vinha na  com um papel na mão onde constava todos carros, quem que iria em tal lugar. Ele me olhou  e viu que eu estava no chão, todo mundo lá em cima. E perguntou o que houve. Disse que o carnavalesco não me deixou subir. Ele falou, Carnavalesco não manda aqui coisa nenhuma, quem manda aqui sou eu. Pode trazer a escada. Subi e lá de cima ficava mandando beijo para o carnavalesco, que estava muito irritado lá em baixo (risos).

No ano de 1989 Beto Ferrari, ainda como semi destaque, não fazia roupa muito grande mas participava de todos os eventos da Rosas de Ouro. Eram apresentações aos finais de semana, onde Beto só voltava pra casa no domingo de madrugada. No final dos anos oitenta, Eduardo Basílio, então Presidente do Rosas ajudava as escolas do grupo de acesso, entre elas a X9 Paulistana. A escola cedia componentes para desfilar nas escolas dos grupos abaixo, entre eles os Destaques. A partir dali, Beto Ferrari passa a desfilar nas duas agremiações. Infelizmente o namoro com a Rosas de Ouro  durou apenas mais alguns poucos anos. Em breve Roberto Ferrari seria um dos principais Destaques de Luxo da X9 Paulistana, onde ficaria por 28 anos.

No Rosas lavava a quadra, banheiro, enfeitava a quadra. Hoje em dia ela virou  uma indústria. Quando tem festa, tem iluminação, aquela coisa toda preparada por uma empresa. Antigamente não, fazia aquilo por amor pela escola. Queria que a nossa escola tivesse a melhor festa, que fosse a escola bonita. Era todo mundo fazendo aquilo por amor a arte. Ninguém tinha salário. Nós na Rosas de Ouro eramos um grupo muito gostoso. Muitas pessoas já foram embora, outros eu tenho amizade até hoje. Foram tendo algumas confusões na Rosas de ouro. Todo mundo queria mandar, ninguém queria obedecer. Penso que todo mundo acha que escola de samba é uma farra, mas para quem convive dentro, sabe que não é assim. Tem o lado bom da alegria, mas tem as tristezas, tem as fofocas, tem as maldades. Me desliguei e fui para a  X9. Lá  fui fazendo trabalho de formiguinha. Vaquinha para comprar fardo de tecido, porque faltava uma renda nas baianas, faltava um tule para uma ala. Passei madrugadas enfeitando carro alegórico  no barracão da X9. Era um barracão precário

Primeiro Desfile da X9 no Grupo Especial – Beto ficou de fora do desfile

Na escola do bairro da Parada Inglesa, Beto Ferrari passou a desfilar na comissão de frente, pelo grupo de acesso paulistano. Ficou na comissão de frente até o ano do desfile campeão de 1994, “Confete, A Saudade Colorida” que levou a X9 Paulistana ao campeonato daquele ano e a estreia no Grupo Especial no ano seguinte. A fantasia foi desenhado pelo também Destaque João Pasqua. No ano seguinte Ferrari voltou a desfilar como Destaque de alegoria na X9 Paulistana pelo principal grupo do carnaval da terra da garoa. O enredo daquele ano era “Arco-Íris da Ilusão desenvolvido por Augusto de Oliveira. Porém a lembrança deste desfile não é das melhores para o Destaque Roberto Ferrari.

Fazendo meu trabalho fim de semana, me matava de fazer carro alegórico e tudo que podia fazer. Era colando, era com aqueles grampeador lá grande. Fiz minha fantasia na avenida. Era tudo novo para escola que tinha subido. Na hora, eu em cima da empilhadeira e avisando que estava tudo atrasado e aquela bagunça. Acabou que o carro foi, eu era o destaque do último carro alegórico, o carro foi embora. Fiquei em cima da empilhadeira. Tentaram correr com a empilhadeira. Aí o rapaz parou e falou, desce, vai correndo. Desci e saí correndo de bota, de salto, com aquele costeiros, correndo atrás do carro alegórico. Fecharam o portão e não podia passar dali.  Acabou que eu e um amigo ficamos de fora. Minha roupa era todinha verde, o policial falou: vocês não vão porque la fora está Gaviões da Fiel. Atravessamos a Gaviões, eu e meu amigo todinhos de verde. Minha fantasia verde limão, ninguém falou nada. Voltamos toda ali a concentração, entramos no estacionamento. Fiquei lá dentro do carro esperando meus amigos que desfilaram voltar. O vice-presidente, que era o Gaspar na época, veio aqui na minha casa, me pediu desculpa. Ele falou que a escola  não podia perder um componente como eu, que eu ajudava muito e acabei voltando

Em dois anos a X9 se tornaria campeã do Grupo Especial Paulistano. No ano de 1997, a escola tricolor vence o carnaval com o enredo “Amazônia, a Dama do Universo“, também de Augusto. Beto desfila magnifico de verde usando a mesma fantasia que deixou de desfilar em 1995.

1997 na X9 Paulistana

Com uma bela história de contribuição ao carnaval, faltava a estreia no tão cobiçado carro Abre Alas, alegoria mais importante dentro de um desfile de escola de samba. Em 2005 o carnavalesco Lucas Pinto foi o responsável por este convite. Era o ano em que a escola homenageava a dupla sertaneja ChitãozinhoXororó. O enredo “Nascidos para cantar e também sambarlevou a X9 ao vice campeonato daquele carnaval. A fantasia usada por Beto se chamava “A majestade, o sabiá

X9 – 2013

Muita gente fica ali na tua frente dando risada e te abraçando, mas depois eu fui saber que muita gente falou que eu não era capaz em fazer uma roupa de destaque de abre alas. E graças a Deus, quem fazia a minha fantasia era o Claudemir Benassi que é um grande nome aqui no carnaval de São Paulo. Na hora que  chega na avenida,  é tratado igual ao Michael Jackson. Todo mundo te bajula, te beija, tira foto, só falta pegar você no colo. Aí você subiu lá no carro, desfilou, fez o que tinha que fazer, a hora que acabar o desfile, salve-se quem puder. Todo mundo pega seu paletó, joga nas costas. Ficamos ali esperando favor, a boa vontade de algum cara da liga. Os destaques de São Paulo, possuem muita dificuldades pra sair dos carros alegóricos no fim da avenida. Na concentração aquilo funciona mil maravilhas, a hora que acaba nada funciona.

Foram anos de grandes desfiles na abertura da X9 Paulistana em parceria com grandes carnavalescos. Além dos já citados, também vestiu criações de Raul Diniz, Paulo Führo, Rodrigo Cadete, Flávio Campello.

No carnaval de 2014, o carnavalesco Flávio Campello preparou o enredo “Insano – uma Viagem aos Confins da Imaginação” para a X9 Paulistana. A escola desfilou debaixo de um histórico temporal. No centro de um imponente e encharcado Abre Alas, a figura de Beto Ferrari literalmente se destaca. A fantasia em tons de verde, preto e prata era magnifica.

Pegando carona no episódio do ano anterior, o Carnavalesco André Machado cria o  enredo “Sambando na chuva, num pé d’água ou na garoa, sou a X9 numa boa!” para o carnaval da X9 em 2015. Desta vez Beto Ferrari desfila em uma das mais espetaculares fantasias que já passaram pelo sambódromo do Anhembi.

A confecção de Bruno Rebouças arrebatou diversos prêmios daquele carnaval. Pela primeira vez Beto faria um personagem na avenida. O Destaque veio vestido do patriarca bíblico Noé.

Quando comecei a sair como destaque,  sempre tive alguém que me ajudava a montar uma parte e depois eu montava o resto. Depois, quando eu fui fazendo fantasias maiores, eu passei  a procurar um ateliê um profissional para poder fazer a fantasia. Minhas últimas fantasias foram feitas no ateliê Bruno Rebouças. Uma pessoa de total confiança. Conheço o Bruno desde quando ele era criança, ainda como  mestre sala na X9. Fez fantasias  maravilhosas. Na verdade ser Destaque é uma vaidade, quem fala que não é esta mentindo, porque eu acho que é fantasia de destaque. É uma vaidade sim, eu tenho essa vaidade e mas nunca me entrometi  em nada. O Bruno sempre fala que eu sou tipo um destaque diferente dos outros. Não fico indo no ateliê, não fico dando palpite. Evito  ao máximo de ficar olhando a fantasia, vou mesmo olhar a fantasia pronta no final.

Em 2016 a X9 veio com o enredo “Açaí guardiã! Do amor de Iaçá ao esplendor de Belém do Pará“. André Machado desenhou mais um personagem para Beto Ferrari, desta vez um Pajé na bela abertura da escola com temática indígena.

O  Desfile teve problemas do inicio ao fim. Vários Destaques ficaram de fora do Desfile. Ferrari foi na garra e desfilou no alto do abre alas, há mais de três metros do chão, segurando na estrutura da fantasia. A escola esqueceu de colocar o famoso “pau de santo antônio”, suporte que daria segurança aos desfilantes da alegoria. Para completar o trágico carnaval, após o desfile, Beto ficou em cima do carro por mais de duas horas aguardando algum diretor da escola para retira-lo da alegoria. O episódio seria o ponto principal para uma decisão. Beto Ferrari, que havia perdido a mãe há pouco tempo, decidiu encerrar ali sua bela trajetória no carnaval.

Após quatro carnavais, o mundo carnavalesco torce para que seja apenas um intervalo. Uma grande festa como o carnaval não deixar de ter a participação de um artista como ROBERTO FERRARI!

Acho que no carnaval você não é nada, você está naquela posição que te colocaram. Você é o destaque porque teve o dinheiro pra fazer aquela fantasia, a capacidade de vestir. Carnaval não é só você fazer uma fantasia caríssima, é interpretar aquela fantasia na avenida. Desfilei no carnaval durante trinta e cinco anos da minha vida e acho que importante é você ser honesto, você não ficar se enfiando em panela. Ter sempre cuidado com o que e com quem você fala. As pessoas sempre interpretam da forma que elas querem. Acho que sou autêntico nisso”.

“Sempre fui voz ativa dentro da escola em defesa dos homossexuais, das trans, eu sempre levo comigo as minhas amigas. Isso é muito gratificante. Muito importante saber se comportar em qualquer lugar que você esteja, principalmente no carnaval. Eu acho que eu faço parte do carnaval de São Paulo e o carnaval de São Paulo faz parte da minha vida, aonde eu fiz grandes amigos. Pessoas que eu vou levar pra vida toda, gerações de famílias.”

Premiação entre os melhores Destaques de São Paulo

 

8 COMENTÁRIOS

    • Muitíssimo obrigado meu amigo, gratidão é o que posso dizer,estou extremamente feliz, é um super presente de aniversário.

  1. Parabéns amigo que lindo ver essa matéria,eu te falei que vc daria um livro que história linda,tenho muito orgulho de ser seu afilhado e amigo ,que felicidades rever todos esses momentos e alguns estando ao seu lado .eu te amooooo amigo

    • Muito obrigado Alex, você faz parte dessa história, e quanta história a gente tem heim , é um filme que passa na cabeça,estou em êxtase com tudo isso,sou pura gratidão a vocês a todos vocês!!!!!

  2. Beto! Parabéns pela sua trajetória de uma vida…35 anos conribuindo com tantos Personagens! Entre Eles um dos meus Prediletos Noé, Parabéns Carnavalnúmero1 pela matéria; onde podemos conhecer um pouco mais de cada um desses Brilhantes Destaques! Aque abrilhantaram a avenida e contribuiram e muito com a nossa Cultura Carnaval. Parabénssss

    • Muitíssimo obrigado, tudo que fiz ,faria novamente porque eu fui muito feliz no carnaval, valeu tudo que fiz ,e tenho gratidão a todos , muito obrigado querida!!!!!!

  3. Muito obrigado Alex, você faz parte dessa história, e quanta história a gente tem heim , é um filme que passa na cabeça,estou em êxtase com tudo isso,sou pura gratidão a vocês a todos vocês!!!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui