Após privatização, Sambódromo precisaria de obras de pelo menos R$ 80 milhões

0
117

Estimativa é da Riotur, que prepara o modelo de concessão do espaço. Intervenções incluiriam bares e restaurantes numa área permanente de visitação

RIO – Privatizado, o Sambódromo precisará de obras de modernização de aproximadamente R$ 80 milhões. A estimativa é do presidente da Riotur, Marcelo Alves, que já trabalha no desenvolvimento de um modelo de concessão da Passarela à iniciativa privada. A ideia foi anunciada nesta quarta-feira, num almoço no Palácio Guanabara em que o prefeito Marcelo Crivella e o governador Wilson Witzel selaram a paz entre eles.

– Acredito que as mudanças vão tornar o espaço moderno não só para o carnaval, mas também para outros grande eventos e espetáculos – afirma Alves. – Ainda não tenho como precisar uma data. Mas pedi a minha equipe agilidade para lançarmos a privatização o quanto antes. Se possível, a tempo do carnaval 2020. Estou confiante – diz ele.

Apesar de confirmada possível ‘desvirada de mesa’ para rebaixar a Imperatriz, racha nas escolas de samba continuaPrefeitura multará em R$ 3 milhões dono de mansão no Leblon que teria causado desastre no Túnel AcústicoVeja perguntas que ainda estão sem respostas sobre o caso do sargento da FAB preso com 39 kg de cocaínaDepois de críticas, David Beckham dá selinho em filha durante jogo da Copa do Mundo Feminina

Após 35 anos da sua inauguração, Alves afirma que, entre as obras necessárias no Sambódromo, estão adequações a exigências do Corpo de Bombeiros, intervenções hidráulicas, implantação de iluminação cênica e de outras tecnologias. Além dessa manutenção estrutural, o presidente da Riotur pretende incluir no escopo da concessão uma loja de produtos oficiais do Rio e uma área de visitação permanente para turistas, com bares e restaurantes. As reaberturas do Museu do Carnaval e de um colégio público na Passarela também estariam incluídas.

– Para virarmos a página da crise, a indústria do turismo é que apresenta resultado a mais curto prazo. O Sambódromo já é um dos pontos mais visitados do Rio. Mas tem um potencial muito grande ainda – diz Alves, lembrando que o espaço é tombado e que todo o processo deverá ter o acompanhamento do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Duas propostas diferentes. Antes do almoço desta quarta-feira, Witzel insistia em estadualizar o Sambódromo, num dos pontos de debate entre Crivella e ele. Ao recuar e anunciar o plano de privatização, o governador chegou a dizer que haveria uma empresa interessada em assumir a estrutura.

Por enquanto, contudo, o grupo de empresas que já manifestou intuito de investir na festa estaria de olho em outro projeto: a operação comercial dos desfiles das escolas de samba.

Há cerca de quatro meses, os investidores, ligados ao mundo futebol, apresentaram a proposta à Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa). Como adiantou a coluna de Lauro Jardim, o grupo ficaria responsável, por exemplo, pela venda de ingressos, pela negociação dos direitos de TV dos desfiles e pela venda de camarotes, entre outras ações, sem interferência no conteúdo artístico do espetáculo.

A proposta prevê um pagamento mínimo de R$ 95 milhões por ano às agremiações. Tudo que for arrecadado acima desse valor seria dividido com as escolas. A venda valeria por 15 anos.

Fonte: O Globo

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui